Ligue-se a nós

Atualidade

“Zé Pedro Rock n’Roll” premiado no festival norte-americano Silicon Beach Film

Publicado

O documentário “Zé Pedro Rock n’Roll”, de Diogo Varela Silva, sobre o guitarrista dos Xutos & Pontapés, venceu o prémio de melhor longa-metragem internacional do festival norte-americano Silicon Beach Film, anunciou hoje a produtora.

O filme “acaba de juntar ao seu palmarés o prémio de melhor longa-metragem internacional do Silicone Beach Film Festival, nos Estados Unidos da América”, lê-se no comunicado da Hot Chilli Films.

“Zé Pedro Rock n’Roll”, que se estreou no final de julho nas salas portuguesas, cerca de dois anos e meio após a morte do guitarrista, conquistou, no ano passado, o Prémio do Público do festival Doclisboa.

A produtora recorda que “Zé Pedro Rock’n’Roll” venceu ainda “o Prémio de Mérito nos Accolade Global Film Competition e nos Impact Docs Awards, também nos Estados Unidos da América”, além dos prémios de melhor documentário e de melhor longa-metragem, nos festivais Salto, no Uruguai, Mabig, na Alemanha, e no Best Istanbul Film Fest, na Turquia.

O Silicon Beach Film Festival realiza-se anualmente na zona oeste de Los Angeles, dominada pela indústria de tecnologia e entretenimento.

Dirigido por Diogo Varela Silva, “Zé Pedro Rock n’Roll” cruza vários depoimentos de amigos, dos irmãos, dos sobrinhos, de todos os elementos dos Xutos & Pontapés e de muitos dos músicos com quem o guitarrista se cruzou.

São ainda recuperados excertos de entrevistas e depoimentos do músico, imagens de arquivo de concertos e ensaios dos Xutos & Pontapés, registos da vida do clube Johnny Guitar, palco e ponto de encontro em Lisboa para dezenas de músicos, e pedaços dos programas de rádio nos quais Zé Pedro participou.

Publicidade

COMENTÁRIOS

Atualidade

Abstenção mais elevada de sempre em eleições para PR

Publicado

A abstenção nas eleições presidenciais deste domingo foi de 54,55 por cento no território nacional.

Nestas eleições em contexto de pandemia,  votaram 4,2 milhões de eleitores, menos de metade dos 9,3 milhões de inscritos no território nacional.

A taxa de abstenção, que se situou nos 54,55 por cento, foi a mais elevada em eleições presidenciais, ultrapassando a registada na reeleição de Cavaco Silva, em 23 de janeiro de 2011, em que 53,56 por cento dos eleitores optaram por não ir às urnas.

Estes dados referem-se apenas a Portugal continental e Regiões Autónomas, faltando apurar todos os resultados das votações no estrangeiro.

As eleições presidenciais de 2021 voltaram a confirmar a tendência para uma maior abstenção quando se trata de um segundo mandato.

Os votos brancos atingiram 1,11 por cento e os nulos 0,94 por cento. No primeiro caso, esta percentagem foi menor relativamente às eleições presidenciais de 2016, nas quais se registaram 1,24 por cento de votos brancos, mas os votos nulos foram, nestas eleições, em maior percentagem em comparação com os 0,92 por cento de 2016.

 

Lusa

Continue a ler

Populares