Ligue-se a nós

Atualidade

Web Summit: Reforço de segurança deveu-se a procedimentos normais – PSP

“Há duas horas [as forças policiais] tomaram a decisão de começar a ver as mochilas”, reforçando o controlo de segurança, adiantou Paddy Cosgrave.

Publicado

Web Summit 2019

O reforço no controlo de mochilas por parte das autoridades policiais, que atrasou em cerca de 15 minutos o início da Web Summit, em Lisboa, deveu-se a procedimentos normais de segurança, disse à agência Lusa fonte da PSP.

“É como se faz em qualquer evento, como um jogo de futebol. É uma questão de segurança”, referiu a mesma fonte.

No início da cimeira tecnológica, o cofundador e presidente executivo da Web Summit, Paddy Cosgrave, agradeceu às forças de segurança portuguesas, que decidiram à última hora reforçar o controlo de mochilas, atrasando em cerca de 15 minutos o início da cimeira tecnológica.

“Nós respeitamos e achamos que o interesse deles é o interesse de todos vós”, acrescentou.

Fundada em 2010 por Paddy Cosgrave, Daire Hickey e David Kelly, a Web Summit é considerada um dos maiores eventos de tecnologia, inovação e empreendedorismo do mundo e evoluiu em menos de seis anos de uma equipa de apenas três pessoas para uma empresa com mais de 150 colaboradores.

A cimeira tecnológica, que nasceu em 2010 na Irlanda, passou a realizar-se em Lisboa desde 2016 e vai manter-se na capital até 2028, depois de, em novembro do ano passado, ter ficado decidida a permanência da conferência em Portugal por mais 10 anos, após uma candidatura com sucesso.

O evento realiza-se em Lisboa até quinta-feira.

Atualidade

Produção de azeite pode parar no Alentejo por falta de capacidade para armazenar bagaço

Publicado

A apanha de azeitona e a produção de azeite correm o risco de parar e o setor olivícola pode colapsar no Alentejo por falta de capacidade das fábricas da região para armazenar bagaço proveniente dos lagares.

“Esta semana provavelmente, o mais tardar na semana que vem, vai haver um colapso no setor”, porque a apanha de azeitona e a produção de azeite “vão ter que parar”, já que “não há espaço para colocar o bagaço de azeitona produzido pelos lagares” do Alentejo, disse hoje à agência Lusa Aníbal Martins, vogal do conselho de administração da CONFAGRI – Confederação Nacional das Cooperativas Agrícolas e do Crédito Agrícola de Portugal.

Segundo o responsável, as três unidades do Alentejo que transformam bagaço de azeitona proveniente dos lagares da região “têm praticamente esgotada a sua capacidade estática de armazenamento” daquele subproduto resultante da produção de azeite.

Devido ao aumento da produção de azeitona e às condições climatéricas (falta de chuva) “favoráveis à apanha rápida de azeitona”, tem chegado azeitona “em maiores quantidades e mais rapidamente aos lagares” e “um volume inusitado” de bagaço de azeitona para ser transformado nas três unidades, explicou.

Apesar de trabalharem 24 horas por dia durante 11 meses, as três unidades, duas no concelho de Ferreira do Alentejo e uma no concelho de Alvito, têm os tanques de armazenagem “praticamente cheios e a atingir a rutura” e “não havendo onde por o bagaço terá forçosamente de parar a apanha de azeitona e a produção de azeite”, disse.

Aníbal Martins, que também é presidente da FENAZEITES – Federação Nacional das Cooperativas Agrícolas de Olivicultores e gerente da União de Cooperativas Agrícolas do Sul (UCASUL), a dona da unidade de Alvito, alertou que a paralisação do setor, a verificar-se, “poderá provocar prejuízos incalculáveis aos agricultores e às empresas ligadas ao setor”.

Continue a ler

Populares