Ligue-se a nós

Atualidade

Vírus: 20 pessoas em quarentena em Lisboa vão para casa no sábado – DGS

Publicado

As 20 pessoas que chegaram a Portugal em 2 de fevereiro vindas de Wuhan, epicentro do coronavírus Covid-19, e que voluntariamente estão de quarentena, saem do hospital no sábado, anunciou hoje a diretora-geral da Saúde.

Graça Freitas, disse, em conferência de imprensa em Lisboa, que a quarentena se mede a partir da hora em que o avião saiu da zona mais afetada, em Wuhan, e por isso terminam o período de 14 dias de sábado para domingo. “No sábado sairão para casa”, afirmou.

A diretora-geral da Saúde adiantou que os 20 não apresentam qualquer sintoma de doença e que na sexta-feira às 09:30 vão repetir as análises, estando os resultados disponíveis na tarde da mesma sexta-feira.

Além de elogiar a disponibilidade dos 20, 18 portugueses e duas mulheres brasileiras que estão isolados no hospital Curry Cabral em Lisboa, Graça Freitas explicou que a Direção-Geral da Saúde (DGS) não valorizou o estudo segundo qual o período de incubação do novo coronavírus pode não ser de 14 dias, o período seguido até agora, mas de 24 dias.

Trata-se de uma informação “que não está validada”, sendo “um dos muitos estudos que circulam” e o qual a Organização Mundial de Saúde (OMS) não menciona, disse Graça Freitas, concluindo: “não havendo robustez científica não a podemos considerar”, até porque “há estudos que vão em sentido contrário”.

A responsável da DGS elogiou os esforços de contenção do novo coronavírus por parte da China, com medidas nunca antes vistas, mas salientou que se desconhece se o vírus tem capacidade de se propagar a outros países pelo que Portugal se está a preparar, ativando e atualizando planos de contingência com “muitos parceiros” em todo o país.

Atualidade

MAI apela a empresas para facultarem documento que justifique deslocações

Publicado

O ministro da Administração Interna alertou hoje para as restrições de circulação durante o período da Páscoa e por isso apelou às empresas para que facultem aos trabalhadores um documento que justifique as deslocações fora do concelho de residência.

Em conferência de imprensa realizada após a quinta reunião da estrutura de monitorização do estado de emergência, realizada no Ministério da Administração Interna, Eduardo Cabrita disse que, entre os dias 09 e 13 de abril, vai haver “um conjunto de restrições à circulação muito significativas”, sublinhando que, durante este período, “apenas por razões imperiosas de saúde ou de urgência” e de trabalho se pode sair do concelho de residência.

Nesse sentido, apelou às entidades patronais para que preparem um documento que justifique, durante esse período da Páscoa, as deslocações fora do concelho da residência, indicando em que atividade trabalha e qual a razão.

O estado de emergência foi hoje renovado até 17 de abril com mais medidas restritivas, nomeadamente a proibição de grupos na rua com mais de cinco pessoas, além de regras mais apertadas de circulação para o período da Páscoa, como encerramento dos aeroportos e proibição de circulação fora do concelho de residência.

O ministro sublinhou que as polícias municipais vão ter mais poderes, passando atuar numa “cooperação expressa com as forças de segurança”.

O novo decreto do estado de emergência dá também, segundo Eduardo Cabrita, mais poderes às juntas de freguesias, que têm um “papel ativo muito importante” na consciencialização dos portugueses.

O ministro sublinhou que as juntas de freguesia têm agora “competência expressa de aconselhamento, recomendação e comunicação” às forças de segurança de situações de incumprimento.

 

Continue a ler

Populares