Ligue-se a nós

Atualidade

Vila Galé confirma investimento de 32 ME em novo ‘resort’ em Alagoas no Brasil

Publicado

Brasil bandeira

O Vila Galé vai investir cerca de 32 milhões de euros num novo ‘resort’ em Alagoas, no Brasil, disse o presidente do grupo, Jorge Rebelo de Almeida.

“Vamos investir 150 milhões de reais [cerca de 32,24 milhões de euros] num ‘resort’ com mais de 400 quartos em Alagoas”, disse Jorge Rebelo de Almeida aos jornalistas, à margem do 31.º Congresso Nacional de Hotelaria e Turismo, organizado pela Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), que termina hoje em Viana do Castelo.

De acordo com o ‘site’ especializado Presstur, este novo projeto do Vila Galé foi anunciado pelo governador do Estado de Alagoas, Renan Filho, no início desta semana, durante um encontro em Lisboa na sede da TAP a propósito do lançamento da nova rota da companhia entre Lisboa e Maceió, capital de Alagoas, que começa em junho, com três voos por semana.

A nova unidade vai situar-se no município de Barra de Santo António, na Praia do Carro Quebrado, em Alagoas, a cerca de 40 quilómetros de Maceió, a capital deste estado do Brasil.

“É uma área lindíssima, como todo o litoral de Alagoas”, afirmou, acrescentando que, estando o grupo em todo o nordeste brasileiro, lhe “faltava Alagoas, que tem um litoral extraordinário”.

A nova unidade no Brasil deverá estar licenciada “em finais de janeiro”, prevendo o grupo “começar as obras a meio do ano”.

Já se falava “há bastante tempo” nesta possibilidade, mas só “se concretizou agora”, concluiu Jorge Rebelo de Almeida.

Jorge Rebelo de Almeida também adiantou que o Grupo Vila Galé vai mesmo avançar com uma nova unidade hoteleira na mesma região do Brasil, em Una, na Bahia, onde decidiu abandonar o projeto que tinha após as críticas de que ia investir em potencial zona de reserva indígena.

Atualidade

Condenado a 19 anos de prisão por atropelamento mortal em Torres Novas

Publicado

O Tribunal de Santarém condenou a 19 anos de prisão o homem que atropelou mortalmente o proprietário de uma escola de condução de Torres Novas que tentava evitar o furto de uma viatura em março de 2019.

O acórdão, depositado no passado dia 28 de março pelo coletivo de juízes, em virtude das medidas decorrentes do estado de emergência pela covid-19, e a que a Lusa teve acesso nesta segunda-feira, considerou provado que Edgar Duarte agiu “de forma perversa e censurável” na madrugada de 18 de março do ano passado, quando acelerou a viatura em direção à vítima, provocando-lhe várias lesões que foram causa direta da morte.

O coletivo determinou ainda o pagamento de uma indemnização aos dois filhos da vítima, atualmente com 17 e 22 anos, no valor 221.600 euros.

O tribunal considerou que ficou provado durante o julgamento que Edgar Duarte, 38 anos, foi, com Tiago Alves, de 22 anos – o outro arguido no processo, condenado a dois anos e seis meses de prisão por furto qualificado -, até à Lamarosa, no concelho de Torres Novas, com o objetivo de furtarem uma viatura.

Ambos se deslocaram num veículo igualmente furtado, mas cujo proprietário desistiu da queixa, tendo Edgar entrado na carrinha da vítima, que estava parada à porta da casa de um amigo deste e com a chave na ignição.

Alertado pelo amigo, o proprietário da viatura saiu para o exterior da casa quando Edgar fazia marcha-atrás, colocando-se à frente do veículo na tentativa de impedir a inversão de marcha.

O arguido acelerou então em direção à vítima, atropelando-o e pondo-se em fuga, acabando por abandonar a viatura no Entroncamento, a mesma cidade onde Tiago havia deixado o outro veículo, lê-se no acórdão.

A vítima, de 50 anos, dono de uma escola de condução e que se dedicava ainda à venda de viaturas e de peças para automóveis, morreu no local.

Detido em abril de 2019, Edgar Duarte – que, além do crime de homicídio qualificado, foi condenado por um crime de furto qualificado – encontra-se no estabelecimento prisional de Caxias, em Oeiras, desde 17 de maio de 2019.

Continue a ler

Populares