Ligue-se a nós

Atualidade

Rosa Grilo não denunciou às autoridades a morte do marido por “medo”

O Tribunal de Loures começou  o julgamento de Rosa Grilo e António Joaquim, acusados pelo Ministério Público da coautoria do homicídio do triatleta Luís Grilo, marido da arguida.

Publicado

Justiça

Rosa Grilo assumiu esta terça-feira ao Tribunal de Loures que foi por “medo” dos homens que alegadamente mataram o seu marido que não denunciou o crime às autoridades, agindo sempre no sentido de dar credibilidade à tese do desaparecimento de Luís Grilo.

Da parte da manhã, Rosa Grilo reiterou que o marido foi morto na casa do casal, no concelho de Vila Franca de Xira, por “três indivíduos” angolanos devido a negócios com diamantes, acrescentando que Luís Grilo foi morto à sua frente com dois tiros na cabeça, em 16 de julho do ano passado.

Da parte da tarde, contou ao tribunal de júri que, pelas 20:00 desse dia, já depois do seu marido estar morto e de ter sido enrolado em sacos do lixo e de ter sido levado por dois dos alegados autores do crime para Benavila, no concelho de Avis, distrito de Portalegre, onde o corpo foi encontrado, se dirigiu ao posto da GNR para dar conta do desaparecimento de Luís Grilo.

A arguida disse que regressou a casa cerca de quatro horas depois, período durante o qual deixou o seu filho, menor, sozinho em casa com o “assassino” do seu marido, justificando que “fez o que lhe mandaram”. Disse que também limpou os vestígios de sangue em casa e que se desfez de roupa, nomeadamente de lençóis, que também tinham sangue.

Para sustentar a tese do desaparecimento, Rosa Grilo assumiu que também se desfez da bicicleta com a qual o marido e triatleta fazia os treinos, levando-a para debaixo da ponte de Vila Franca de Xira, assumindo que nunca entrou em pânico e que sempre tentou agir naturalmente.

Dois dias após o homicídio, e depois de os supostos autores do crime terem abandonado a arma de António Joaquim no escritório, Rosa Grilo foi devolvê-la ao arguido, com quem assumiu manter em tribunal uma relação extraconjugal.

A arguida explicou que levou a arma para a sua habitação “às escondidas” da casa do arguido, para se sentir “mais segura”, na sequência de uma conversa que teve com o marido, durante a qual Luís Grilo lhe terá dito que tinha feito “um disparate” relacionado com a entrega de diamantes e na qual teria um papel de intermediário.

“Quando restituí a arma ao António [Joaquim] não lhe contei o que se passou. Não queria envolver mais ninguém, colocar mais ninguém em perigo”, justificou Rosa Grilo, admitindo que devia ter contado ao arguido o que se tinha passado assim como denunciar o crime às autoridades.

Três dias após o homicídio de Luís Grilo, o arguido António Joaquim dormiu na casa de Rosa Grilo pois a arguida “estava com medo”.

“Mas aí estava a colocar o António em risco?”, questionou a presidente do coletivo de juízes. “Não pensei nisso”, respondeu a arguida.

A presidente do coletivo de juízes manifestou alguma incredulidade perante a versão completa apresentada pela arguida, questionando-a sobre os motivos que a levaram a ter esta atitude e a “atrasar a atuação da polícia”, ainda por cima quando se sentia “insegura”, tendo a arguida respondido sempre que foi por “medo”, alegando que continuava a ser perseguida e controlada pelos homens.

O julgamento prossegue pelas 09:30 de 17 de setembro com a continuação da audição de Rosa Grilo.

Publicidade

COMENTÁRIOS

Atualidade

Cientistas explicam por que trabalhar à noite faz mal aos intestinos

Publicado

As pessoas que trabalham à noite têm mais probabilidades de desenvolver inflamações intestinais, porque há células que contribuem para a saúde intestinal que deixam de receber informações vitais do cérebro.

Os resultados da investigação foram hoje publicados na revista científica Nature. Feito pela equipa de Henrique Veiga-Fernandes, no Centro Champalimaud, em Lisboa, o estudo explica o que leva as pessoas que têm horários desregrados, como trabalhadores noturnos, a ter mais tendência para inflamações intestinais ou obesidade.

A relação entre esses problemas e os horários noturnos era conhecida e já se tem procurado relacionar os processos fisiológicos com a atividade do relógio circadiano do cérebro. Mas foi a equipa do investigador principal Veiga-Fernandes que descobriu que a função de um certo grupo de células imunitárias, conhecidas por contribuírem de forma muito significativa para a saúde intestinal, se encontra sob o controlo direto do relógio circadiano do cérebro.

Veiga-Fernandes, citado num comunicado da Fundação Champalimaud, explica que quase todas as células do corpo possuem uma maquinaria genética interna que acompanha o ritmo circadiano através da expressão dos chamados “genes relógio”, que indicam a hora do dia às células.

Esses pequenos relógios são sincronizados pelo grande relógio do cérebro (por exemplo informação sobre o dia e a noite).

A equipa descobriu que as chamadas “células linfóides inatas de tipo 3” (ILC3), que no intestino lutam por exemplo contra as infeções, são particularmente sensíveis às perturbações dos seus genes relógio.

“Quando os cientistas analisaram a forma como a perturbação do relógio circadiano cerebral influía sobre a expressão de diversos genes das ILC3, descobriram que desencadeava um problema muito específico: o “código postal” molecular destas células desaparecia!”, explica-se no comunicado.

Continue a ler

Populares