Ligue-se a nós

Atualidade

Presidente da República já teve alta do hospital

Publicado

Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que deu ontem entrada no Hospital de Santa Cruz, em Carnaxide, para realizar um cateterismo, devido a um problema cardíaco teve teve esta manhã alta.

À saída, Marcelo disse, em declarações aos jornalistas, estar satisfeito por tudo ter “corrido bem” e assumiu que “isso é um fator positivo na ponderação que irei fazer daqui por um ano, em outubro” sobre a sua recandidatura à presidência.

“Não escondo que é bom para o desempenho deste mandato, sentir-me melhor do que sentia e ter outra qualidade de saúde e de vida que não teria se não fosse o SNS, o [Hospital] de Santa Cruz, e a [sua] equipa”, afirmou o chefe de Estado, garantindo que “sinto-me verdadeiramente melhor hoje do que ontem”.

Em comunicado, o Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental, E.P.E. referia que o Presidente da República padecia de “obstruções coronárias importantes” que ontem “foram tratadas (…) com sucesso e sem complicações”, prevendo-se “uma recuperação total em prazo muito curto, com retoma da atividade normal no próximo fim de semana”.

Atualidade

Farmácias vão parar 23 minutos esta quarta-feira

Publicado

As farmácias vão parar 23 minutos esta quarta-feira, das 15 horas às 15h23, para sensibilizar o Estado para o pagamento de serviços prestados gratuitamente, principalmente durante a pandemia da covid-19.

Nesse período a plataforma informática de dispensa das receitas eletrónicas ficará inativa, mas Manuela Pacheco, presidente da Associação de Farmácias de Portugal, garante que a paragem não vai comprometer a prestação de serviços aos utentes. Segundo a responsável, o objetivo é «sensibilizar» para a situação «de risco» das farmácias e reivindicar medidas que possam «garantir a sua sobrevivência».

Em declarações à Rádio Observador, Manuel Pacheco adiantou que as farmácias tiveram 12 mil processos de utentes que não podiam dirigir-se aos hospitais e que precisavam de medicação e, por isso, assumiram uma dívida de 76 milhões de euros para garantir acesso a medicamentos.

Continue a ler

Populares