Ligue-se a nós

Atualidade

Português que resgatou milhares de migrantes no Mediterrâneo arrisca 20 anos de prisão

Em 2016, Miguel entrou num barco para resgatar migrantes no Mediterrâneo. Em 2018 foi constituído arguido por apoio à imigração ilegal.

Publicado

O governo italiano constituiu arguido um voluntário português que participou no resgate de milhares de migrantes no mar Mediterrâneo.

De acordo com o Observador, Miguel Duarte trabalha com mais nove pessoas na organização não-governamental (ONG) alemã Jugend Rettet, que, a bordo do navio Iuventa, participou em missões de resgate de migrantes e refugiados no Mediterrâneo. Agora é acusado de auxílio à imigração ilegal e enfrenta uma pena que pode chegar aos 20 anos de prisão.

A história de Miguel Duarte, aluno de doutoramento em Matemática no Instituto Superior Técnico, está contada no canal da Humans Before Borders, uma plataforma portuguesa de apoio aos migrantes .

Enquanto voluntário, Miguel participou no resgate de 14 mil pessoas. Mas em 2018, no ano em que quase 2.300 pessoas morreram na tentativa de chegar à Europa pelo Mediterrâneo, a Itália acusou-o de apoio à imigração ilegal, tráfico humano e posse de armas de fogo. As duas últimas acusações já caíram. Mas a outra prossegue e pode colocá-lo na prisão.

Apesar das acusações, Miguel Duarte afirma que faria tudo novamente — algo que deu o mote à hashtag que tem sido usadas nas redes sociais para escrever sobre a campanha, #EuFariaOMesmo.

A campanha de angariação de fundos para Miguel Duarte começou a 7 de junho e já recolheu mais de 33 mil euros que o ajudarão a suportar os custos legais do processo. Termina a 12 de julho.

Atualidade

Odivelas: Incêndio perto da estação de metro

Publicado

Mais de uma centena de operacionais combatem um incêndio que deflagrou esta tarde numa zona de mato, na localidade do Senhor Roubado, em Odivelas.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro de Lisboa revelou À Lusa que o incêndio está a ocorrer perto da estação de metro da localidade, mas não interfere com a circulação na ferrovia.

Também não existem habitações em perigo.

Continue a ler

Populares