Ligue-se a nós

Atualidade

Portugal sem mortes e com 572 novos casos nas últimas 24 horas

Publicado

Portugal registou mais 572 novos casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 nas últimas 24 horas e nenhuma morte relacionada com a covid-19, indica o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

De acordo com o boletim epidemiológico de hoje, a região de Lisboa e Vale do Tejo continua a ser a que tem mais casos confirmados com 264 dos 572 registados.

Os internamentos em enfermaria (233) e em unidades de cuidados intensivos (53) mantém-se estáveis, não tendo sido registada alteração desde quarta-feira.

Os dados divulgados pela DGS mostram também que estão ativos mais 105 casos, para um total de 22.452 e que 467 pessoas foram dadas como recuperadas.

No total, e desde o início da pandemia em março de 2020, foram consideradas recuperadas da infeção 807.532 pessoas.

Os contactos que as autoridades de saúde têm em vigilância aumentaram, com mais 1.221 pessoas, para um total de 21.834.

Segundo o relatório semanal da vacinação divulgado na terça-feira pela DGS, 3.526.688 pessoas já estão vacinadas com a primeira dose e 1.654.55 já têm a vacinação completa, tendo sido administradas na última semana um total de 516.911 doses.

Os dados da DGS indicam que 34% da população portuguesa recebeu a primeira dose e que 16% já foi vacinada com duas doses das vacinas contra o vírus SARS-CoV-2.

Segundo o boletim, a região Norte tem hoje 159 novas infeções por SARS-CoV-2, totalizando 339.803 casos de infeção e 5.354 mortes, desde o início da pandemia.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados mais 264 casos, contabilizando-se até agora 320.165 casos e 7.211 mortos atribuídos à covid-19.

Na região Centro registaram-se mais 64 casos, acumulando-se 119.700 infeções e 3.021 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 22 casos, totalizando 30.138 infeções e 971 mortos.

Na região do Algarve, o boletim revela que foram registadas mais 11 infeções, acumulando-se 22.201 casos e 363 mortos.

A região Autónoma da Madeira registou 14 novas infeções, contabilizando 9.674 casos e 69 mortes devido à covid-19.

Os Açores registam 38 novos casos, contabilizando 5.325 casos e 33 mortos desde o início da pandemia, segundo a DGS.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 461.838 mulheres e 384.808 homens, mostram os dados da DGS, segundo os quais há 360 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Do total de vítimas mortais, 8.940 eram homens e 8.082 mulheres.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se nos idosos com mais de 80 anos, seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos.

Quanto ao índice de transmissibilidade (Rt) do coronavírus SARS-Cov-2 este indicador situa-se desde quarta-feira em 1,07, enquanto a incidência de casos de infeção por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias é de 57,8. Valores atualizados do índice de transmissibilidade e da incidência são divulgados à segunda-feira, quarta-feira e sexta-feira.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.500.321 mortos no mundo, resultantes de mais de 168,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Atualidade

Programa Apoiar reforça apoios para empresas encerradas devido à pandemia

Publicado

A alteração ao regulamento do programa Apoiar determina novos apoios para as empresas que se mantêm encerradas devido à pandemia de covid-19, designadamente bares e discotecas, anunciou hoje o Governo.

Numa nota enviada às redações, o gabinete do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, destaca que “este reforço da liquidez” se traduz “numa duplicação do apoio extraordinário já atribuído, correspondente ao valor do incentivo apurado referente ao último trimestre de 2020”.

A medida visa “melhorar as condições de tesouraria das empresas para fazerem face aos compromissos de curto prazo, contribuindo para a sua subsistência durante e após o surto pandémico”, é salientado no comunicado.

O gabinete de Siza Vieira refere que, no caso das empresas com quebras de faturação entre os 25% e os 50%, “o reforço do apoio pode atingir os 13.750 euros para as microempresas e os 33.750 euros para as pequenas, médias e grandes empresas”.

“Caso as quebras tenham sido superiores a 50%, o apoio pode ascender a 20.625 euros ou 50.625 euros, respetivamente”, é acrescentado.

A alteração ao regulamento do programa Apoiar aplica-se retroativamente às candidaturas que já foram aprovados e o ajustamento dos valores a receber será feito de forma automática, depois de confirmadas as condições de acesso, explica o Governo.

Lusa

Continue a ler

Populares