Ligue-se a nós

Desporto

Pai de Moise Kean desiludido com Juventus: “Não me deu os tratores”

Publicado

Foto: Pixabay

É companheiro de Cristiano Ronaldo, uma das revelações no futebol italiano e mesmo internacional. O avançado Moise Kean,  tornou-se no mais novo jogador de sempre a marcar pela seleção italiana.

Tem um bom contrato com a Juve, um bom futuro, mas quem não está contente é o pai. Tudo por causa de bilhetes e dois tratores.

A história é simples. Em 2017, Moise Kean esteve quase a deixar a Juventus mas o pai do jovem avançado acabou por convence-lo a ficar. Em contrapartida, Biorou Jean Kean pediu a Juventus dois tratores agrícolas.

“A Juve ofereceu um contrato de 700 mil euros por ano, bastante bom. Mas o problema é que me prometeram dois tratores para o meu negócio agrícola na Costa do Marfim e agora dizem que não há dinheiro para isso. Tenho vários hectares de terra no meu país e quero cultivar arroz e milho. Pedi a maquinaria e disseram-me que não haveria nenhum problema, mas agora as coisas mudaram”, contou, o pai à estação de rádio italiana Rai Radio 1.

O pai da jovem revelação italiana afirma que a Juventus não cumpriu o acordado e que ele ainda não recebeu os tratores prometidos e os bilhetes para assistir aos jogos do seu filho.

O jovem avançado, de 19 anos, acabou por renovar com a vecchia signora mas esta quarta-feira, o pai revelou que a promessa do clube de Turim ainda não foi cumprida.

“A Juventus já não me dá bilhetes para os jogos e também não me deu os dois tratores que prometeu. A mãe dele queria levá-lo para Inglaterra, mas eu convenci-a a deixá-lo em Itália para poder continuar na Juventus. Em troca eu pedi dois tratores, mas eles ainda não me deram nada”, revelou em entrevista à Rai Radio 1.

Publicidade

COMENTÁRIOS

Atualidade

Luís Filipe Vieira venceu eleições históricas

Publicado

Luís Filipe Vieira foi reeleito para um sexto mandato na presidência do Benfica, nas eleições ocorridas na quarta-feira, as mais concorridas de sempre, anunciou hoje o presidente da Mesa da Assembleia Geral do clube, Virgílio Duque Vieira.

O candidato da lista A, Luís Filipe Vieira, venceu as eleições com 62,59% (471.660 votos), batendo a lista B, liderada pelo gestor João Noronha Lopes, que conseguiu 34,71% (261.574), e a lista D, do advogado Rui Gomes da Silva, que ficou nos 1,64% (12.341).

Luís Filipe Vieira, de 71 anos, que já é o presidente com mais tempo na liderança do Benfica, foi reeleito para o quadriénio 2020-2024, depois de ter sido eleito pela primeira vez há 17 anos, em 2003.

Nos anteriores cinco atos eleitorais, Vieira tinha sido sempre eleito com uma percentagem de votos acima dos 80%, com 90,47% em 2003, frente a Jaime Antunes (7,32%) e Guerra Madaleno (0,7%), 91,74% em 2009, perante Bruno Costa Carvalho (2,71%), e 83,02% em 2012, diante Rui Rangel (13,83%).

Nos outros dois sufrágios, em 2006 e 2016, Vieira foi candidato único, tendo acolhido, respetivamente 95,6% e 95,52% dos votos.

As eleições de quarta-feira para a presidência do Benfica bateram o recorde histórico das mais votadas de sempre, com 38.102 votantes, superando o registo alcançado no sufrágio de 2012, quando 22.676 exerceram o direito de voto, num ato em que Vieira foi desafiado por Rui Rangel.

Continue a ler

Populares