Ligue-se a nós

Atualidade

Moçambicana deu à luz numa árvore e aguardou dois dias por ajuda

Publicado

Marinha resgata mulher Moçambique 1
Foto: Facebook Marinha Portuguesa

Uma mulher moçambicana deu à luz em cima de uma árvore, na província de Manica, na companhia de outro filho, de dois anos, onde procurou refúgio após as cheias provocadas pela passagem do ciclone Idai, escreve a Lusa.

O relato foi feito pela própria, citada num comunicado do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).

“Estava com o meu filho de dois anos quando de repente, sem aviso, as águas começaram a entrar em minha casa. Não tive outra opção se não saltar para o topo de uma mangueira por perto”, explicou Amélia, a mulher que entrou em trabalho de parto durante a passagem do Idai.

“Depois as dores começaram e eu não tinha ninguém por perto para me ajudar. Em poucas horas, nasceu a minha bebé Sara, no topo dessa mangueira. Estava completamente sozinha com a Sara e com o meu filho”, detalhou a moçambicana, que diz ter ficado em cima daquela árvore durante mais dois dias depois do nascimento de Sara.

Amélia, uma mãe solteira que diz não saber a sua idade, acrescentou que foram os vizinhos que a ajudaram a descer da árvore, que lhe garantiu a sobrevivência, e aos filhos.

Amélia e os seus dois filhos estão no centro de alojamento de Nhamhemba, em Dombe, província de Manica, que acolhe algumas das 1,3 milhões de pessoas afetadas pela passagem do ciclone em Moçambique.

Atualidade

Iberdrola sobe indemnizações de casas afetadas por sistema de barragens do Tâmega

Publicado

A Iberdrola vai aumentar o valor das indemnizações pelas 52 casas afetadas pelas barragens de Daivões, Alto Tâmega e Gouvães, pagar novas habitações e desistir dos realojamentos em pré-fabricados em Ribeira de Pena, revelou hoje o presidente daquela autarquia.

João Noronha falava aos jornalistas no Porto, após uma reunião com representantes da Iberdrola, da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N), e os autarcas de Boticas, Chaves, Vila Pouca de Aguiar e Cabeceiras de Basto, os outros municípios afetados pelo Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET), que inclui ainda a barragem de Gouvães.

“Finalmente temos estes valores todos definidos e fixados. Vão ser pagos 950 euros por metro quadrado [de cada casa afetada], o que vai acrescentar um valor significativo às pessoas afetadas, nomeadamente as que já tinham sido indemnizadas. Acreditamos que, em finais de janeiro, as pessoas vão receber os correspondentes cheques”, afirmou o autarca de Ribeira de Pena, João Noronha, como porta-voz dos outros presidentes de câmara.

Para além de subir o valor das indemnizações pelos imóveis afetados, a Iberdrola vai ainda suportar a construção de novas habitações, em terrenos cedidos pelos municípios, e o valor do arrendamento temporário, até que as novas casas estejam concluídas, garantiu João Noronha.

Com isto, resolveu-se também a questão dos contentores instalados em Ribeira de Pena, que vão ser desmontados, passando seis famílias a ficar em casas alugadas.

Em alternativa, explicou o autarca, a Iberdrola vai pagar a renda dos realojamentos “em habitações condignas”, pelo tempo que cada família levar a “fazer a sua nova casa”.

Ainda no caso de Ribeira de Pena, o autarca esclareceu que serão 14 as casas novas e que os restantes casos “estão resolvidos”.

Continue a ler

Populares