Ligue-se a nós

Atualidade

Ministra da Saúde admite que Portugal não consegue quebrar cadeias de transmissão

Publicado

Marta Temido admitiu hoje que o nosso país não está a conseguir interromper cadeias de transmissão do novo coronavírus, frisando que isso não pode levar a desistir de o tentar.

“Estamos a ter dificuldade em quebrar as cadeias de transmissão, estão a manter-se relativamente persistentes e, portanto, pusemos no terreno um conjunto de instrumentos adicionais”, afirmou Marta Temido numa conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia da covid-19.

Questionada sobre uma alegada intervenção irritada do primeiro-ministro para lhe tirar a palavra numa reunião do Governo e do Presidente da República com especialistas, Marta Temido afirmou em tom irónico que, “se o primeiro-ministro ‘puxou as orelhas’ à ministra da Saúde, teria certamente razão, embora os castigos corporais sejam pouco da nossa forma de trabalhar”.

“Todos começamos a ficar bastante cansados e gostaríamos de poder voltar a página da covid-19. É natural que se perca alguma da tranquilidade e possamos perguntar-nos se as coisas estão a evoluir no melhor sentido”, declarou.

Segundo a revista Visão, na reunião de quarta-feira realizada no Infarmed, António Costa “tirou a palavra à ministra da Saúde quando esta falava de confinamento e disse que o tipo de linguagem e a falta de clareza dos dados que lhe têm chegado impedem o Governo de montar uma estratégia eficaz para travar os contágios”.

Hoje, Marta Temido disse na conferência de imprensa no Ministério que tutela que as medidas aprovadas na quinta-feira em Conselho de Ministros para a região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se concentra a maioria dos novos casos diários de contágio, visam levar os cidadãos a “absterem-se de comportamentos supérfluos que podem ser evitados”, sobretudo numa região marcada por mais movimentos e contactos entre pessoas.

O sentido das medidas, que se aplicam sobretudo a 19 freguesias onde os contágios têm sido maiores onde se recomenda aos cidadãos a “permanência no domicílio”, é “estancar o mais possível” a transmissão do novo coronavírus.

Marta Temido indicou que o trabalho da saúde pública “tem sido reforçado” nas últimas semanas, com o envio para o terreno de profissionais de outros serviços, como o Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge para apoiar unidades de saúde de Lisboa e Vale do Tejo.

“A única resposta que temos é uma resposta transparente e de verdade”, afirmou, frisando que “não vale desistir” de conter a disseminação do novo coronavírus.

A pandemia de covid-19 já provocou quase 487 mil mortos, incluindo 1.555 em Portugal.

 

Lusa

Atualidade

Doze pessoas infetadas em surto no hospital de S. José em Lisboa

Publicado

Hospital Saúde Médico

Doze pessoas entre doentes e funcionários do hospital de S. José testaram positivo à covid-19, após ter sido identificado na quarta-feira um caso de infeção no serviço de cirurgia, anunciou hoje o hospital.

Segundo João Varandas Fernandes da direção clínica do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, testaram positivo sete doentes, que foram transferidos para o serviço de infeciologia do hospital Curry Cabral, quatro enfermeiros e um assistente operacional.

A presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar, Rosa Valente de Matos, sublinhou que foram ativados todos os procedimentos e que não há motivo para alarme.

Continue a ler

Populares