Ligue-se a nós

Desporto

Livro sobre Jorge Jesus pretende mostrar que sucesso no Brasil não é por acaso

Publicado

Foto: Facebook Bertrand

O livro “Mister Jesus, 30 anos de uma carreira ímpar” pretende mostrar que o sucesso do treinador português de futebol no Brasil e na América do Sul se deve à sua preparação, segundo o autor, Rui Pedro Braz.

“Este livro pretende mostrar que o sucesso de Jorge Jesus no Brasil, mas também em Portugal, não foi por acaso, por trás do sucesso há uma lógica, uma razão de ser, e dou como exemplo o número de jogadores brasileiros que trabalharam com Jorge Jesus”, explicou à agência Lusa o comentador televisivo.

Apesar de reconhecer que “falta pouco por saber sobre Jorge Jesus”, dada a “forma aberta como fala em conferências de imprensa e entrevistas”, Rui Pedro Braz realçou a necessidade de “reunir esta informação de forma organizada temporalmente”.

“É conhecido o interesse de Jorge Jesus pelo futebol brasileiro, nomeadamente para identificar jogadores, mas o facto de ter trabalhado, nos clubes de primeiro escalão, em Portugal e na Arábia Saudita, com 108 brasileiros, de vários estatutos, desde internacionais a estreantes na Europa, permitiu-lhe ter conhecimento do futebol brasileiro, mas também da forma de trabalhar dos brasileiros, levando a que a sua mensagem passe mais rápido”, referiu.

Jorge Jesus, de 65 anos, conquistou a Taça Libertadores e o ‘Brasileirão’, depois de ter assumido o comando técnico do Flamengo, em julho último, muito por causa da experiência entre os ‘grandes’ de Portugal e da Europa.

“Os treinadores europeus têm dificuldades com o calendário no Brasil, um país continente, com muitos jogos, muitas deslocações, e o Jorge Jesus, na última década, disputou 124 jogos europeus, além das competições nacionais, pelo que já está mais do que habituado a esta exigência”, prosseguiu.

Perante isso, o autor do livro considera que o sucesso do treinador natural da Amadora “não estava ao alcance de nenhum outro treinador português e dificilmente de um europeu”.

“O livro pode ser encarado como uma biografia, por contemplar a infância e a adolescência de Jorge Jesus, a carreira de jogador e a de treinador. Não foi adjunto, porque foi convidado para treinar o Amora ainda com as chuteiras calçadas no Almancilense”, sublinhou Rui Pedro Braz.

Nas 272 páginas da obra, prefaciada pelo antigo guarda-redes de Benfica e Flamengo Júlio César, o autor destaca vários episódios, nomeadamente já na América do Sul, ao ocorrido em Felgueiras, onde um adepto apontou uma arma ao treinador, à invasão da Academia do Sporting, à morte do avô do treinador numa final da Taça de Portugal e à passagem do pai pelo Sporting.

“Mister Jesus, 30 anos de uma carreira ímpar” vai ser colocado à venda em Portugal na sexta-feira, depois de ser apresentado no Brasil, na terça-feira, às 14:00 locais (17:00 em Lisboa), no Consulado de Portugal no Rio de Janeiro, com a presença do treinador do Flamengo.

Atualidade

Entrevista Record FM: [Neno]: “É pena que a Taça da Liga não tenha uma maior exposição lá fora”

Publicado

Foto: facebook.com/Neno Barros

Neno, antigo guarda redes internacional, que passou por clubes como o Vitória de Guimarães e Benfica, é um dos embaixadores da presente edição da Taça da Liga.
O também elemento da estrutura diretiva do Vitória de Guimarães, em entrevista à Record FM deixou elogios ao atual formato da competição.
E para Neno, a Taça da Liga já começa a ser vista com outros olhos pelos clubes portugueses:

“É um dos objetivos da época. Alargado a todos os clubes. Não só pela forma como está a ser feita e gerida a competição. Acho que qualquer clube das ligas, neste momento tem a ambição de a conquistar”.

Neno reconhece que ainda não tem a dimensão europeia de outras competições, por exemplo teria outra atratividade outra proporção se a taça da liga abrisse as portas de uma presença na Europa:

“A época em Portugal é muito longa. Tanto a Taça de Portugal como o campeonato são competições bastante longas. E, realmente, um meio termo, que pudesse dar alguma exposição a um clube que vencesse a Taça da Liga, o campeão de inverno, seria mais interessante. Claro que o mais importante será sempre ganhar o campeonato e depois a Taça de Portugal. Sabemos qual a posição de cada um dos torneios. Mas a verdade é que a Taça da Liga também tem o seu significado e é pena que não tenha uma exposição mais mediática lá fora, dando direito a quem vencesse a prova poder estar presente numa competição europeia”.

Neno, na defesa da Taça da Liga, onde o seu Vitória de Guimarães foi eliminado nas meias finais.
A final está marcada para sábado, entre o FC Porto e o Sporting de Braga.

Continue a ler

Populares