Ligue-se a nós

Desporto

Livro sobre Jorge Jesus pretende mostrar que sucesso no Brasil não é por acaso

Publicado

Foto: Facebook Bertrand

O livro “Mister Jesus, 30 anos de uma carreira ímpar” pretende mostrar que o sucesso do treinador português de futebol no Brasil e na América do Sul se deve à sua preparação, segundo o autor, Rui Pedro Braz.

“Este livro pretende mostrar que o sucesso de Jorge Jesus no Brasil, mas também em Portugal, não foi por acaso, por trás do sucesso há uma lógica, uma razão de ser, e dou como exemplo o número de jogadores brasileiros que trabalharam com Jorge Jesus”, explicou à agência Lusa o comentador televisivo.

Apesar de reconhecer que “falta pouco por saber sobre Jorge Jesus”, dada a “forma aberta como fala em conferências de imprensa e entrevistas”, Rui Pedro Braz realçou a necessidade de “reunir esta informação de forma organizada temporalmente”.

“É conhecido o interesse de Jorge Jesus pelo futebol brasileiro, nomeadamente para identificar jogadores, mas o facto de ter trabalhado, nos clubes de primeiro escalão, em Portugal e na Arábia Saudita, com 108 brasileiros, de vários estatutos, desde internacionais a estreantes na Europa, permitiu-lhe ter conhecimento do futebol brasileiro, mas também da forma de trabalhar dos brasileiros, levando a que a sua mensagem passe mais rápido”, referiu.

Jorge Jesus, de 65 anos, conquistou a Taça Libertadores e o ‘Brasileirão’, depois de ter assumido o comando técnico do Flamengo, em julho último, muito por causa da experiência entre os ‘grandes’ de Portugal e da Europa.

“Os treinadores europeus têm dificuldades com o calendário no Brasil, um país continente, com muitos jogos, muitas deslocações, e o Jorge Jesus, na última década, disputou 124 jogos europeus, além das competições nacionais, pelo que já está mais do que habituado a esta exigência”, prosseguiu.

Perante isso, o autor do livro considera que o sucesso do treinador natural da Amadora “não estava ao alcance de nenhum outro treinador português e dificilmente de um europeu”.

“O livro pode ser encarado como uma biografia, por contemplar a infância e a adolescência de Jorge Jesus, a carreira de jogador e a de treinador. Não foi adjunto, porque foi convidado para treinar o Amora ainda com as chuteiras calçadas no Almancilense”, sublinhou Rui Pedro Braz.

Nas 272 páginas da obra, prefaciada pelo antigo guarda-redes de Benfica e Flamengo Júlio César, o autor destaca vários episódios, nomeadamente já na América do Sul, ao ocorrido em Felgueiras, onde um adepto apontou uma arma ao treinador, à invasão da Academia do Sporting, à morte do avô do treinador numa final da Taça de Portugal e à passagem do pai pelo Sporting.

“Mister Jesus, 30 anos de uma carreira ímpar” vai ser colocado à venda em Portugal na sexta-feira, depois de ser apresentado no Brasil, na terça-feira, às 14:00 locais (17:00 em Lisboa), no Consulado de Portugal no Rio de Janeiro, com a presença do treinador do Flamengo.

Desporto

Benfica, FC Porto e Sporting com perdas de 27 ME mês – especialist​​​​​​a

Publicado

Benfica, FC Porto e Sporting podem perder mais de 27 milhões de euros por cada mês de paragem do futebol devido à pandemia de covid-19, estimou à agência Lusa o especialista de gestão desportiva Alfredo Silva.

Segundo o professor da Escola Superior de Desporto de Rio Maior Alfredo Silva, coordenador da licenciatura de Gestão das Organizações Desportivas, as perdas para os denominados ‘três grandes’ podem chegar a esses valores somando as três “áreas de negócio” mais relevantes em termos de receitas.

Se na bilheteira pode existir “uma perda real mensal de 4,3 milhões de euros”, números ponderados com os mais de 3,5 milhões de espetadores que assistiram a jogos da I Liga em 2018/19, a maior fatia dos quais em torno destes três rivais, os valores sobem muito mais quando se fala de transmissões televisivas.

Com o campeonato parado, não só os adeptos não podem marcar presença nos estádios, como não conseguem assistir às partidas em casa, através da televisão.

Nesse cenário, e assumindo uma paragem de um mês, as perdas com a distribuição televisiva das partidas, bem como outros conteúdos relacionados, originariam “uma perda de 17 milhões de euros” para os três clubes.

O outro eixo de perdas possíveis prende-se com os patrocínios e outros contratos de publicidade, que podem “ser mitigadas” para os clubes, mas acabam por afetar mais “as empresas e marcas patrocinadoras”.

“Os contratos poderão ser renegociados, facto que pode originar [para os clubes] perdas mensais de seis milhões de euros”, acrescenta o docente universitário.

Continue a ler

Populares