Ligue-se a nós

Música

José Cid recebe hoje Grammy de Excelência Musical em cerimónia nos EUA

Para José Cid, o reconhecimento internacional surge a par do reconhecimento nacional, que é “tão bom ou melhor” que os galardões além-fronteiras.

Publicado

O músico português José Cid recebe hoje, numa cerimónia em Las Vegas, nos Estados Unidos da América, um Grammy de Excelência Musical, da Academia Latina de Gravação, cuja atribuição foi anunciada em agosto.

O Grammy de Excelência Musical é atribuído “a artistas que fizeram contribuições de significado artístico excecional para a música latina”, de acordo com informação disponível no ‘site’ da Academia.

Além de José Cid, também Eva Ayllón, Joan Baez, Lupita D’Alessio, Hugo Fattoruso, Pimpinela, Omara Portuondo e José Luis Rodríguez “El Puma” vão receber hoje o mesmo galardão.

Em agosto, quando a Academia Latina de Gravação anunciou que José Cid iria receber o prémio, o músico disse à Lusa que esta distinção “é o corolário de muitos anos de trabalho, teimosia e persistência”, e lamentou que as grandes editoras não apostem mais em Portugal.

“Tenho uma homenagem pública nacional do país inteiro, de norte a sul, há décadas sobre décadas, há cidades em que já fui duas e três vezes e não se cansam, e as pessoas continuam, ao fim de duas horas e meia, a pedir mais e mais, ninguém se quer ir embora. E essa é a maior homenagem que posso ter, é o meu próprio país que ma dá, já com a minha idade, aos 77, porque tenho mantido a voz, a voz está cá toda”, disse na altura.

Na página oficial da Academia Latina de Gravação é referido, num pequeno texto dedicado ao músico português, que José Cid “adaptou-se sem esforço a influência da música popular anglo ao estilo original do pop rock português”.

“Em 1956, o surgimento de sua banda cover Os Babies marcou um momento de ‘antes e depois’ para o pop rock em Portugal. O seu próximo grupo, o Quarteto 1111, criou as bases do rock português, com uma forte tonalidade psicadélica e lançamentos inovadores, como o enorme sucesso de 1967 ‘A Lenda De El-Rei D. Sebastião’. Continuando como artista a solo, em 1978 lançou ‘10000 Anos Depois Entre Vénus e Marte’, considerado uma obra-prima do rock progressivo”, salienta a mensagem da Academia.

Publicidade

COMENTÁRIOS

Música

Morreu o músico Bill Withers, cantor do tema “Ain’t no Sunshine”

Publicado

Foto: Facebook Bill Withers

O músico norte-americano Bill Withers, que escreveu canções soul como “Ain’t no Sunshine” e “Lean on me”, morreu na segunda-feira em Los Angeles (Califórnia), aos 81 anos, de complicações cardíacas, revelou hoje a família.

Três vezes distinguido com os prémios Grammy, Bill Withers estava há muito afastado dos palcos, com a carreira concentrada sobretudo entre finais dos anos 1960 e os anos 1980.

“Durante a sua breve carreira, as canções de Withers tornaram-se a banda sonora de incontáveis relacionamentos, casamentos e festas”, afirma a Associated Press, a propósito, por exemplo, dos temas “Lean on me” e “Lovely day”.

Bill Withers, que nasceu a 04 de julho de 1938 numa cidade marcada pela exploração mineira em West Virginia, fez serviço militar na Marinha, trabalhou na instalação de sanitários enquanto à noite fazia gravações caseiras à guitarra, recordam a AP e o jornal The Guardian.

Do contrato com a editora Sussex Records, surgiram os três primeiros álbuns, com o de estreia, “Just as I am”, de 1971, a incluir o sucesso “Ain’t no sunshine” e uma versão de “Let it be”, dos Beatles.

Com a falência da Sussex Records, Bill Withers passou a editar pela Columbia Records, e é desse período que sai a canção “Just the two of us”, em 1981, com Groover Washington Jr..

Até 1985, Bill Withers editaria oito álbuns, afastando-se depois dos palcos e da ribalta.

Continue a ler

Populares