Ligue-se a nós

Atualidade

IURD congratula-se com arquivamento de inquérito sobre adoções ilegais

Publicado

A Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) congratulou-se esta quinta-feira com o arquivamento do inquérito aberto pelo Ministério Público para investigar uma alegada rede ilegal de adoção de crianças montada pela Igreja na década de 1990.

“Foi com natural satisfação que a IURD tomou conhecimento do teor do despacho do Ministério Público. Como facilmente se depreenderá, a satisfação sentida não se prende com o mero critério formal e jurídico da prescrição, mas sim pelo facto de as alegações dos progenitores terem sido desmentidas pela investigação levada a cabo pelo Ministério Público”, refere uma nota enviada à agência Lusa.

O inquérito foi aberto no final de 2017 na sequência de uma reportagem da estação televisiva TVI que denunciava a alegada existência de uma rede ilegal de adoção de crianças no Lar Universal da IURD, tendo agora o Ministério Público dado como prescritos os crimes em investigação.

A reportagem “O segredo dos Deuses”, acrescenta a nota, “causou um impacto profundo na sociedade” e diversas personalidades da área da cultura, música, cinema, bem como da área judicial, religiosa, entre outras, sem terem tido acesso ao que na realidade se passou comentaram publicamente o caso, censurando a IURD.

Apesar da prescrição dos alegados crimes, segundo noticiou o semanário Expresso, o procurador revelou que as alegações dos pais biológicos foram desmentidas pela investigação, nomeadamente pelas perícias da Polícia Judiciária às assinaturas de duas mães de crianças adotadas.

As mulheres garantiram à TVI nunca ter assinado qualquer documento relacionado com a adoção dos filhos, o que afinal fizeram.

Atualidade

Parlamento aprova projetos de resolução para reflorestação do Pinhal de Leiria

Publicado

Pinhal Pinheiro

A Assembleia da República aprovou esta sexta-feira projetos de resolução de BE, PEV, PSD e PCP e uma petição, por unanimidade, sobre a implementação de medidas para a reflorestação e gestão das matas litorais ardidas em 2017.

O plenário do parlamento discutiu hoje a petição do movimento “O Pinhal é Nosso”, com mais de 6.500 assinaturas, que deu entrada em março de 2018 e exige que “todo o valor obtido com a venda” da madeira ardida do Pinhal de Leira seja alocado para o apoio aos lesados e para a recuperação daquela mata.

No início do debate parlamentar, o deputado do Bloco de Esquerda Ricardo Vicente defendeu a necessidade “de um compromisso político governativo” de acompanhamento e monitorização da valorização da Mata Nacional de Leiria e de outras matas litorais.

“O Bloco [de Esquerda] propõe a construção, num prazo de seis meses, de planos de requalificação e reflorestação das matas [nacionais]”, sublinhou, adiantando que o mais preocupante é “a inexistência de um plano global e a ausência de compromisso a curto, médio e ao longo prazo”.

Já a deputada do Partido Ecologista ‘Os Verdes’ Mariana Silva assinalou que “falta muito por fazer”, apesar dos esforços do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Por seu turno, Margarida Balseiro Lopes, do PSD, lamentou que o Pinhal de Leira ainda se encontre “como o fogo o deixou” após os incêndios de 2017.

“Dois anos depois, o Pinhal de Leiria está como o fogo o deixou. […] os sinais de abandono do pinhal são visíveis”, frisou a deputada social-democrata.

João Dias, do PCP, apontou para a carência de recursos no Pinhal de Leiria, acrescentando que deve haver articulação entre o Estado, as autarquias e as populações.

O deputado socialista João Paulo Pedrosa lembrou a criação do Observatório do Pinhal de Leiria e de uma comissão científica.

“Foi aberto um concurso para 35 vagas de assistentes operacionais, está em curso a contratação de 100 técnicos superiores florestais […]”, disse o deputado, adiantando que foi feito um reforço de meios humanos.

Cristina Rodrigues, do PAN, lembrou a necessidade de atualização dos planos de reflorestação.

“[O plano de gestão] foi revisto em 2019, mas encontra-se desatualizado com base na atual floresta”, frisou.

Por sua vez, a deputada centrista Cecília Meireles acusou o Governo de não cumprir as recomendações previamente aprovadas, o que considerou “incompreensível”.

Continue a ler

Populares