Ligue-se a nós

Atualidade

Homem que matou ex-companheira na Golegã condenado a 22 anos de prisão

A juíza Raquel Rolo recomendou a Rui Vieira que procure ter tratamento psicológico e psiquiátrico, pois “precisa de perceber que está muito errado”.

Publicado

Arma

O Tribunal de Santarém condenou a 22 anos de prisão o homem que matou a ex-companheira e feriu o homem que a acompanhava, no parque de estacionamento de uma danceteria, na Golegã (Santarém), em fevereiro passado.

O homem, com 63 anos, foi condenado a 19 anos de prisão por um crime de homicídio qualificado na forma agravada, a três anos pelo crime de violência doméstica, a nove anos pelo crime de homicídio simples na forma tentada e a dois anos por detenção de arma proibida, dando o cúmulo jurídico uma pena única de 22 anos.

Foi ainda condenado a pagar uma indemnização de 150.500 euros aos três filhos da vítima e a pagar os custos da hospitalização do homem que feriu, o qual não quis apresentar pedido de indemnização.

O tribunal considerou provado que Rui Vieira teve a intenção de matar as duas vítimas, só não tendo conseguido fazê-lo com o companheiro de Ana Silva porque este conseguiu entrar no estabelecimento de diversão noturna.

Para o coletivo, as circunstâncias em que se deu o crime foram “especialmente graves”, porque Rui Vieira, depois de ter visto o casal na danceteria, foi a casa buscar a arma e ficou à espera que saíssem, a uma distância a que sabia (porque tinha sido caçador) que os disparos seriam fatais.

A presidente do coletivo afirmou que o facto de, no seu depoimento, o arguido ter tentado justificar os seus atos com uma alegada exibição do casal no interior do estabelecimento para o provocar é revelador da “perceção distorcida” e dos “ciúmes doentios” que já eram patentes nas numerosas mensagens que enviava à vítima.

Terminada a leitura do acórdão, Rui Vieira disse que era indiferente o número de anos a que seria condenado, que se vai matar na prisão e voltou a querer responsabilizar a vítima pelo seu ato, dizendo que era ela que o ameaçava em mensagens com referências ao novo companheiro.

A vítima tinha apresentado queixa junto das autoridades, alguns meses antes do crime, depois de o arguido a ter procurado em sua casa e de a ter agredido, tendo na altura afirmado que tinha receios mas que não acreditava que ele fosse capaz de a matar.

Atualidade

Taxa de transmissibilidade da covid-19 subiu para acima de um

Publicado

A taxa de transmissibilidade (RT) da covid-19 em Portugal subiu nos últimos dias, situando-se acima de um (1), afirmou hoje a ministra da Saúde.

Na conferência de imprensa de acompanhamento da pandemia, Marta Temido afirmou que, entre 05 e 09 deste mês, o índice de transmissão da doença, foi estimado em 1,04, o que mostra “uma ligeira tendência de crescimento”.

Entre os dias 03 e 07 de agosto, a taxa de transmissibilidade (número médio de casos secundários que resultam de um caso infetado) estava nos 0,99.

“Estes resultados aconselham uma atitude de precaução e manutenção do esforço consistente de todos, face aquilo que é a evolução do contexto internacional”, acrescentou.

Portugal regista hoje mais dois mortos por covid-19, que ocorreram na região de Lisboa e Vale do Tejo, e 235 novos casos de infeção em relação a quinta-feira, num total de 53.783 casos confirmados e 1.772 mortes.

Em termos percentuais, a taxa de mortalidade em Portugal por covid-19 situa-se nos 3,3%.

A ministra disse ainda que o número de pessoas que estão a recuperar em casa se mantém estável, situando-se nos 22,8% e que o número de doentes hospitalizados por covid-19 representa 0,7% dos infetados.

A taxa de incidência para os últimos sete dias fixa-se nos 13,9 casos por 100 mil e em relação aos últimos 14 dias situa-se nos 26,4 novos casos por 100 mil habitantes.

Marta Temido avançou também que o boletim epidemiológico passa a ter novo formato a partir de segunda-feira, dizendo que se pretende que seja de “mais fácil leitura”.

A ministra terminou a parte introdutória da conferência de imprensa a congratular-se com o facto de não haver utentes com covid-19 na Rede de Cuidados Continuados Integrados, equipamentos ao dispor de doentes em reabilitação e recuperação, dizendo que foi fruto de um “esforço intenso das equipas”.

Portugal regista hoje mais duas mortes por covid-19 e 235 novos casos de infeção em relação a quinta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continue a ler

Populares