Ligue-se a nós

Atualidade

Governo vai aumentar fiscalização ao cumprimento do teletrabalho

Publicado

António Costa anunciou hoje que o Governo vai aumentar as ações de fiscalização ao cumprimento do teletrabalho e adiantou que se tem verificado “um grande incumprimento” em casos em que este tipo de trabalho é possível.

“Onde o teletrabalho é obrigatório, ele vai mesmo ser respeitado”, afirmou António Costa, esta tarde em conferência de imprensa.

De acordo com o líder do executivo, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, já deu autorização para “ações efetivas para se verificar o cumprimento desta obrigação”.

Atualidade

Mau Tempo provocou quase 100 ocorrências até ao momento, mas sem gravidade

Publicado

Um total de 99 ocorrências, embora sem efeitos muito graves, foram contabilizadas pela Proteção Civil entre as 00:00 e as 10:00 de hoje, resultante dos primeiros efeitos da tempestade Dora que fustigará Portugal continental até à madrugada de domingo.

Segundo adiantou aos jornalistas o Comandante de Assistência ao Comando Nacional de Emergência e Proteção Civil, Belo Costa, as condições atmosféricas adversas da tempestade Dora, que motivou o “estado de alerta especial” do dispositivo nacional, não causou, até ao momento, “nada de significativamente grave”, havendo apenas a registar quedas de árvores, postes de eletricidade, placards e alguns deslizamentos de terras, tudo semelhante a “um dia normal de inverno”.

“Felizmente é um registo baixo de ocorrências”, congratulou-se Belo Costa, em conferência de imprensa na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), revelando que Vila Real e Viseu foram para já os distritos mais atingidos pelos primeiros efeitos da tempestade que se vai intensificar até se dissipar na madruga do próximo domingo.

Este responsável da Proteção Civil apontou quatro fatores meteorológicos que justificam a subida do estado de alerta, nomeadamente “vento forte”, “agitação marítima em todos os distritos costeiros”, “queda de neve, sobretudo no norte e interior do país em zonas a partir dos 700 metros de altitude” e “temperatura baixa”, que associada ao vento provocará “desconforto térmico”.

Apesar de Vila Real e Viseu terem sido, até agora, os distritos mais atingidos pelos primeiros efeitos da tempestade, Belo Costa disse “ser expectável” que distritos como Viana do Castelo, Guarda e Castelo Branco venham a sofrer de forma mais acentuada a severidade da tempestade, admitindo-se também que haja problemas em Portalegre, embora com menos probabilidades.

Quanto à agitação marítima, até ao momento não há ocorrências a registar, tendo o Comandante Belo Costa alertado que, nesse domínio, o “alerta laranja” vai de Lisboa até Viana do Castelo (orla costeira), sendo, de momento, impossível determinar onde a agitação marítima será mais intensa até a tempestade ser ultrapassada na madrugada de domingo.

Nos outros distritos mantêm-se o alerta amarelo quanto à agitação do mar.

Belo Costa realçou que a ANEPC já acionou o reforço das bases sediadas em Guimarães (com duas brigadas 24 horas/dia), Trancoso, Proença-a-Nova, Valezim (Guarda) e Unhais da Serra, contando ainda com o apoio da Unidade de Proteção e Socorro da GNR para reforçar as suas bases de auxílio às populações.

Quanto à queda de neve, sobretudo no norte e interior do país, em locais de maior altitude, o Comandante Belo Costa advertiu para os riscos de circulação rodoviária, a qual deve ser “evitada”, apelando a que se resista à “tentação das fotografias e dos filmes” na neve.

Caso as pessoas insistam em ir para esses locais desaconselhados e com neve, alertou que devem averiguar atempadamente a situação do automóvel, como a dos pneus e das correntes para a neve, se existem circuitos alternativos como escapatória e evitar, sobretudo, o transporte de idosos e crianças.

Devem ainda garantir que levam consigo alimentos suficientes e necessários para as pessoas que transportam, por forma a evitar situações críticas que possam aumentar o número de pedidos de meios de socorro existentes nas imediações.

Em relação à agitação marítima, o responsável da proteção civil desaconselhou os passeios junto à orla marítima e admitiu que as autoridades municipais locais possam vir a interditar a circulação nas marginais junto ao mar.

Quanto ao frio e à descida de sobretudo no norte e interior do país, Belo Costa lembrou que, nestas situações o “desconforto térmico”, dispara o recurso a equipamentos de aquecimento e utilização de lareiras, advertindo para os cuidados a ter para se evitar efeitos colaterais como sejam incêndios ou intoxicação por monóxido de carbono por aproximação demasiada ou adormecimento junto ao calor da lareira.

Continue a ler

Populares