Ligue-se a nós

Atualidade

Fusão de hospitais no Algarve não beneficiou a região – administradora

Publicado

Hospital Saúde Médico

A presidente do Centro Hospitalar do Algarve, Ana Paula Gonçalves, disse ontem na comissão parlamentar que a fusão num centro hospitalar foi feita “sem estudo, com os pés”, aludindo à dispersão geográficas das unidades, como Portimão e Faro e ao “gigantismo da organização”, que torna a gestão “difícil e penosa”.

Ana Paula Gonçalves referiu que o processo teve como consequência “a saída de alguns profissionais que não se reviram no modelo” do Centro Hospitalar.

Numa alusão à falta de recursos humanos, a administradora exemplificou que o Centro Hospitalar e Universitário do Algarve tem 400 médicos especialistas, enquanto os três centros hospitalares de Lisboa têm 3.000 médicos.

O conselho de administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve foi ouvido, a pedido do PSD, “a propósito dos atrasos verificados na realização de exames para doentes oncológicos” e sobre a “suspensão das cirurgias programadas dos Hospitais de Faro e Portimão”.

Atualidade

Empresa de Gaia que promove carne com imagem de mulher vai retirar cartazes

Publicado

Foto: Facebook Carnes Sá da Bandeira

A empresa Carnes Sá da Bandeira, de Vila Nova de Gaia, que lançou uma campanha publicitária onde associava uma mulher de bikini à venda de carne, vai remover os cartazes.

Para promover a carne de vitela branca para assar a empresa associou a imagem de uma mulher em bikini na praia. Por debaixo do “slogan” lê-se: “Para quem prefere o melhor”.

Esta terça-feira, a empresa emitiu um comunicado a explicar que «À semelhança de anos anteriores foram elaborados cartazes alusivos ao verão cuja associação de imagens levou a interpretações que de modo algum ocorreu à empresa. Tendo como máxima que “a nossa liberdade acaba quando começa a liberdade do outro” procedemos de imediato à remoção dos mesmos».

Entretanto o MDM – Movimento Democrático de Mulheres enviou um protesto à Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género. Nas redes sociais, o Movimento defende que “as mulheres não são mercadoria” e critica duramente a campanha.

Continue a ler

Populares