Ligue-se a nós

Atualidade

Esperança de vida à nascença em Portugal aumentou para 81,06 anos – INE

Publicado

A esperança de vida à nascença em Portugal aumentou para 81,06 anos para o total da população, sendo o Norte a região com os valores mais elevados, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

No triénio 2018-2020, a esperança de vida à nascença para Portugal foi estimada em 78,07 anos para os homens e em 83,67 anos para as mulheres, o que significa um aumento de 1,90 e de 1,48 anos, respetivamente, em relação aos valores estimados para 2008-2010.

“A esperança de vida à nascença continua a ser superior para as mulheres, mas a diferença para os homens tem vindo a diminuir, sendo agora de 5,60 anos (6,02 em 2008-2010)”, refere o INE na publicação “Tábuas de Mortalidade em Portugal – Desagregação regional (2018-2020)”.

Nos últimos 10 anos registaram-se melhorias na esperança de vida à nascença em todas as regiões. Contudo, os maiores aumentos ocorreram nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores com ganhos de longevidade superiores a dois anos.

Segundo os dados, a esperança de vida à nascença em Portugal foi estimada em 78,07 anos para os homens e de 83,67 anos para as mulheres, no triénio analisado.

As maiores diferenças de longevidade entre homens e mulheres registaram-se na Madeira e nos Açores, onde as mulheres podem esperar viver em média, respetivamente, mais 6,89 e 6,82 anos do que os homens.

Na Área Metropolitana de Lisboa (AML) e na região Norte observaram-se as menores diferenças de longevidade entre sexos (5,41 e 5,44 anos, respetivamente).

Os valores mais elevados de esperança de vida aos 65 anos observaram-se na AML para o total da população, homens e mulheres (19,97 anos, 18,05 anos e 21,54 anos, respetivamente).

Contudo, foi nos Açores que se verificou o maior aumento deste indicador na última década para o total da população e para mulheres: de 16,18 para 17,63 anos e de 17,71 para 19,24 anos, respetivamente.

O maior aumento da esperança de vida aos 65 anos para os homens ocorreu no Alentejo: de 16,33 anos para 17,68 anos.

As maiores diferenças de longevidade aos 65 anos entre homens e mulheres, em 2018-2020, registaram-se na Madeira e no Algarve, onde as mulheres podem esperar viver em média, respetivamente, mais 4,38 anos e mais 3,77 anos do que os homens, enquanto no Alentejo verificou-se a menor diferença entre sexos (3,17 anos).

As estimativas relativas à esperança de vida à nascença mostram que em nove das 25 regiões NUTS III foi superado o valor nacional (81,06 anos) no triénio 2018-2020.

No entanto, em 11 regiões (Cávado, Região de Coimbra, Região de Leiria, Ave, Viseu Dão-Lafões, Área Metropolitana do Porto, Região de Aveiro, Médio Tejo, AML, Terras de Trás-os-Montes e Alto Minho) verificaram-se valores da esperança de vida à nascença acima de 81 anos.

As menores esperanças de vida à nascença verificaram-se nas Regiões Autónomas e no Baixo Alentejo, onde a expectativa de vida não atingiu 79 anos.

Nos últimos 10 anos, todas as regiões NUTS III registaram ganhos de longevidade à nascença, verificando-se o maior acréscimo na Beira Baixa (2,57 anos) e o menor na região Terras de Trás-os-Montes (0,95 anos).

Os resultados relativos ao triénio 2018-2020 mostram que 17 regiões NUTS III superaram o valor nacional (19,69 anos).

Destas, nove regiões NUTS III apresentaram valores acima de 20 anos: Região de Coimbra (20,39 anos), Terras de Trás-os-Montes (20,28 anos), Alto Tâmega (20,25 anos), Viseu Dão Lafões (20,23 anos), Região de Leiria (20,22 anos), Cávado (20,20 anos), Beiras e Serra da Estrela (20,10 anos), Alto Minho (20,06 anos) e Alentejo litoral (20,02 anos).

Os valores mais reduzidos, abaixo de 19 anos, verificaram-se nos Açores (17,63 anos), Madeira (17,72 anos) e no Baixo Alentejo (18,47).

“Entre 2008-2010 e 2018-2020 todas as regiões NUTS III registaram ganhos de longevidade aos 65 anos, tendo o maior acréscimo ocorrido no Alentejo Litoral (1,73 anos) e o menor no Algarve (0,79 anos)”, segundo os dados.

COMENTÁRIOS

Atualidade

Covid-19: Portugal regista 930 novos casos e oito mortes nas últimas 24 horas 

Publicado

Portugal regista hoje mais 930 casos confirmados de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2, oito mortes associadas à covid-19, uma descida nos internamentos em enfermaria e subida nos cuidados intensivos, segundo dados oficiais,

De acordo com o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), divulgado hoje, estão agora internadas 284 pessoas, menos quatro do que na quinta-feira, das quais 60 em unidades de cuidados intensivos, mais duas nas últimas 24 horas.

Os oito óbitos foram registados nas regiões de Lisboa (1), Norte (2), Centro (2), Alentejo (2) e Algarve (1).

Quatro das vítimas mortais tinham mais de 80 anos e outras quatro entre os 70 e os 79.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram em Portugal 18.125 pessoas e foram registados 1.083.651 casos de infeção.

O maior número de óbitos continua a concentrar-se entre os idosos com mais de 80 anos (11.825), seguidos da faixa etária entre os 70 e os 79 anos (3.881).

Do total de vítimas mortais registadas até à data, em Portugal 9.507 eram homens e 8.618 mulheres.

Os dados divulgados pela DGS mostram também que estão ativos mais 244 casos, para um total de 30.805, e que 678 pessoas foram dadas como recuperadas da covid-19 nas últimas 24 horas, o que aumenta o total nacional para 1.034.721 recuperados.

Nas últimas 24 horas, o número de contactos em vigilância pelas autoridades de saúde subiu (mais 354), situando-se nos 20.931.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 581.780 mulheres e 501.129 homens, de acordo com os dados da DGS, segundo os quais há 742 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que esta informação não é fornecida de forma automática.

Entre as novas infeções destaca-se a faixa etária dos 30 aos 39 (mais 141), seguida dos 20 aos 29 anos (mais 138), dos 40 aos 49 anos (mais 131), dos 50 aos 59 anos (mais 120), dos 0 aos 9 anos (mais 94), dos 10 aos 19 (mais 91), dos 60 aos 69 anos (mais 83), dos mais de 80 anos (mais 71) e dos 70 aos 79 anos (mais 61).

A região de Lisboa e Vale do Tejo e a região Norte concentram cerca de 64,5% por cento das infeções assinaladas nas últimas 24 horas.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas 377 novas infeções, contabilizando-se até agora nesta área geográfica 418.519 casos e 7.713 mortos.

A região Norte registou 223 novas infeções por SARS-CoV-2, totalizando 414.422 casos de infeção e 5.591 óbitos desde o início da crise pandémica.

Na região Centro registaram-se mais 186 casos, perfazendo 145.457 infeções e 3.176 mortos.

No Alentejo foram assinalados 53 novos casos de infeção, totalizando 39.943 contágios e 1.051 mortos desde o início da pandemia.

Na região do Algarve, o boletim de hoje da DGS contabiliza 52 novos casos, acumulando-se 43.572 contágios pelo SARS-CoV-2 e 477 óbitos.

A região Autónoma da Madeira contabilizou 22 novos casos, somando 12.525 infeções e 73 mortes devido à doença covid-19 desde março de 2020.

Nas últimas 24 horas, e segundo a DGS, os Açores registaram 17 novos casos, o que eleva para 9.213 contágios desde o início da pandemia e 44 mortes devido à doença.

As autoridades regionais dos Açores e da Madeira divulgam diariamente os seus dados, que podem não coincidir com a informação divulgada no boletim da DGS.

A covid-19 provocou pelo menos 4.926.579 mortes em todo o mundo, entre mais de 242,39 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Continue a ler

Populares