Ligue-se a nós

Atualidade

Espanha reconhece problema com caudal do Tejo apesar de respeito por acordos

Publicado

A ministra da Transição Ecológica de Espanha, Teresa Ribera, reconheceu hoje haver “um problema de represas em cadeia” que afetam o caudal do rio Tejo, mas assegurou que Madrid “nunca falhou” os acordos com Portugal.

“O nosso problema é que temos de assegurar uma quota mínima [na albufeira de Cedillo], porque abaixo dessa quota não está assegurado o abastecimento [de água] a Cáceres [cidade espanhola a cerca de 90 quilómetros da fronteira portuguesa], disse Teresa Ribera à agência Lusa em Madrid.

A ministra em exercício acrescentou que Espanha está a “enviar e a soltar água” de Cedillo de acordo com “picos” que vai recebendo a montante, mas assegurou estar “confiante” que “isso se vai estabilizar no curto prazo”.

A regularização do caudal que chega a Portugal, o principal problema apontado pelo Governo de Lisboa, “depende da água que vem de mais acima”, disse Teresa Ribera.

“O principal problema de Cedillo é que está associado ao abastecimento de Cáceres. Esse é um ponto crítico que temos de ver como se resolve”, concluiu a ministra da Transição Ecológica espanhola, que afirmou manter “uma relação e conversação, não só cordiais como também frequentes, com o ministro português” da mesma pasta.

O ministro português do Ambiente e Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, reafirmou há uma semana em Ílhavo (Aveiro) a necessidade de “aprofundar a Convenção de Albufeira”, que regula as transferências de água de Espanha para Portugal, para haver uma maior regularidade nos caudais do Tejo, afastando, no entanto, a possibilidade de o país obter um maior caudal vindo de Espanha.

“Temos de aprofundar a Convenção de Albufeira, sem qualquer objetivo de obter maior caudal vindo de Espanha. Não podemos ter o que não há e o caudal do Tejo está muito diminuído em relação ao que era ao tempo em que Convenção foi negociada e muito bem negociada”, disse o ministro.

Atualidade

A gripe já fez triplicar idas aos hospitais e centros de saúde

Publicado

Hospital Saúde Médico

A corrida aos serviços de saúde está a ocorrer mais cedo do que no ano passado, sobretudo no norte do país.

Na primeira semana de dezembro, houve 1572 atendimentos nos cuidados primários por síndrome gripal face a 538 registados na mesma semana de 2018.

Nos hospitais, na última semana de novembro (últimos dados disponíveis), a procura dos serviços de urgência por síndrome gripal mais do que triplicou (103 episódios em 2018 para 358 em 2019), revela a monitorização da gripe da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte.

A região já tem mais de 60 centros de saúde com horário alargado à noite e aos fins de semana para responder à afluência crescente.

Continue a ler

Populares