Ligue-se a nós

Atualidade

Em um ano, Amazónia perde área equivalente a cinco vezes São Paulo

A exploração ilegal de madeira e o alargamento das terras agrícolas são as razões apontadas para este aumento na desflorestação.

Publicado

Entre os meses de julho de 2017 e 2018, a floresta amazónia perdeu uma área florestal do tamanho de cinco vezes a cidade de São Paulo, um aumento de 13% em relação ao ano anterior, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).

Embora longe dos valores do início da década passada, os dados divulgados pelo governo brasileiro, apoiados em imagens de satélite, mostram que a maior floresta tropical do mundo perdeu 7900 quilómetros quadrados, ou seja, um milhão de campos de futebol.

Os Estados do Pará e do Mato Grosso foram os que mais contribuíram. O Mato Grosso é o principal produtor de cereais e maior responsável pelo aumento das exportações de soja do Brasil.

A Greenpeace Brasil acusa o governo de Jair Bolsonaro de não proteger a floresta.

Atualidade

GNR apreendeu atum-rabilho com mais de 200 quilos em Ílhavo

Publicado

A Unidade de Controlo Costeiro da GNR apreendeu na quarta-feira, na Gafanha da Nazaré, em Ílhavo, um exemplar de atum-rabilho com 205 quilogramas, bem como 226 quilogramas de pescado fresco de diversas espécies, num valor estimado de 6.980 euros.

Segundo um comunicado da GNR, o pescado foi descarregado de uma embarcação de pesca costeira “sem cumprir com as obrigações respeitantes ao registo obrigatório no diário de pesca das quantidades estimadas de cada espécie, bem como a respetiva notificação prévia antes de chegada a porto”.

A GNR informa que, de acordo com a legislação em vigor, o atum-rabilho faz parte de uma das oito espécies de atum pertencentes à família “Scombridae”, sendo uma espécie e predador de topo, com elevada importância para a pesca comercial e que está em perigo de extinção.

“Foi identificado o mestre da embarcação e elaborado o respetivo auto de contraordenação pelas infrações de não registo obrigatório no diário de pesca e notificação prévia antes de chegada a porto, cujas coimas podem atingir os valores de 75 mil euros e os 125 mil euros, respetivamente”, refere a mesma nota.

Continue a ler

Populares