Ligue-se a nós

Atualidade

CGD: Constâncio volta ao Parlamento a 18 de junho

Publicado

O jornal Público revelou documentos que mostram que a operação de entrada de Joe Berardo no BCP tinha sido autorizada pelo Banco de Portugal (BdP), mesmo sabendo que as verbas necessárias provinham de um crédito de 350 milhões de euros contraídos junto da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Apesar de dizer que não esteve no conselho de administração que autorizou a operação, o antigo Governador do Banco de Portugal, Vitor Constâncio, recebeu o documento com todos os detalhes da operação, incluindo a informação de que o investidor não tinha capacidade financeira para ser um accionista qualificado da instituição, noticia o Público.

Uma auditoria da EY à CGD, revela que em 2015 a exposição do banco público à Fundação José Berardo era de 268 milhões de euros, depois de uma concessão de crédito de 350 milhões de euros para compra de ações no BCP, dando como garantia as próprias ações, que desvalorizaram e geraram grandes perdas para o banco.

Atualidade

Programa Apoiar reforça apoios para empresas encerradas devido à pandemia

Publicado

A alteração ao regulamento do programa Apoiar determina novos apoios para as empresas que se mantêm encerradas devido à pandemia de covid-19, designadamente bares e discotecas, anunciou hoje o Governo.

Numa nota enviada às redações, o gabinete do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, destaca que “este reforço da liquidez” se traduz “numa duplicação do apoio extraordinário já atribuído, correspondente ao valor do incentivo apurado referente ao último trimestre de 2020”.

A medida visa “melhorar as condições de tesouraria das empresas para fazerem face aos compromissos de curto prazo, contribuindo para a sua subsistência durante e após o surto pandémico”, é salientado no comunicado.

O gabinete de Siza Vieira refere que, no caso das empresas com quebras de faturação entre os 25% e os 50%, “o reforço do apoio pode atingir os 13.750 euros para as microempresas e os 33.750 euros para as pequenas, médias e grandes empresas”.

“Caso as quebras tenham sido superiores a 50%, o apoio pode ascender a 20.625 euros ou 50.625 euros, respetivamente”, é acrescentado.

A alteração ao regulamento do programa Apoiar aplica-se retroativamente às candidaturas que já foram aprovados e o ajustamento dos valores a receber será feito de forma automática, depois de confirmadas as condições de acesso, explica o Governo.

Lusa

Continue a ler

Populares