Ligue-se a nós

Atualidade

Centro de vacinação de “atendimento livre” abre segunda-feira em Lisboa

Publicado

Fernando Medina

Lisboa vai ter, a partir de segunda-feira, um centro de vacinação contra a Covid-19 em Alcântara que vai funcionar em regime de “atendimento livre”, sem marcação, anunciou esta terça-feira o presidente Fernando Medina.

“Vamos ter, já a partir de segunda-feira, um centro em Alcântara que vai funcionar no formato de atendimento livre para todas as pessoas que estejam nas faixas etárias abrangidas no plano de vacinação, para que se possam ir vacinar sem pré-marcação”, disse o autarca socialista no seu espaço de comentário na TVI24.

De acordo com o presidente da Câmara de Lisboa, este centro vai funcionar entre as 07h00 e as 21h00.

Esta é uma das medidas tomadas pela autarquia lisboeta para acelerar a vacinação em Lisboa, região onde se têm registado nos últimos dias os maiores casos de infeção diários por Covid-19.

Nas últimas 24 horas, Portugal registou 1.020 novos casos de infeções por Covid-19, 648 dos quais na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Afirmando que há “condições logísticas e operacionais para que a vacinação seja acelerada”, Fernando Medina fez ainda saber que tem “capacidade para aumentar em 50% os números da vacinação” nos centros existentes na capital, “assim haja vacinas disponíveis”.

“E a informação que temos é que, neste momento, há vacinas disponíveis”, acrescentou.

Para esse aumento da capacidade de vacinação, o autarca frisou ser necessário “um esforço grande de contratação de mais enfermeiros” e um “alargamento dos horários de funcionamento dos centros”.

“Propusemos que tenham horário alargado em cerca de quatro horas e que funcionem também aos sábados e aos domingos”, afirmou, especificando que os centros fecharão assim às 22h00.

Entretanto, também a task force fez saber que reabre na quarta-feira o centro de vacinação contra a Covid-19 do pavilhão 3 da Cidade Universitária, em Lisboa, para vacinar pessoas acima dos 50 anos de idade sem agendamento.

Numa nota enviada à Lusa, a equipa liderada pelo vice-almirante Gouveia e Melo adiantou que o centro terá ao seu serviço “28 militares dos três ramos das Forças Armadas e terá capacidade para administrar cerca de 1.200 doses diárias”.

Por agora, este espaço será apenas dedicado à vacinação da modalidade ‘casa aberta’, “ficando disponível para a vacinação de primeiras doses de utentes com idade igual ou superior a 50 anos” inscritos nos agrupamentos de centros de saúde de Lisboa Norte e que não tenham sido infetados nos últimos seis meses.

Segundo a task force, este centro de vacinação vai funcionar sete dias por semana, entre as 09h30 e as 17h30 e os utentes que desejem informar-se em tempo real sobre a disponibilidade deste espaço podem consultar o portal ‘sala aberta’ (https://salaaberta3.webnode.pt/).

Mais de 4,3 milhões de pessoas em Portugal já receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19, o equivalente a 42% da população, e quase 2,6 milhões (25%) têm a vacinação completa, segundo dados avançados na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Atualidade

Programa Apoiar reforça apoios para empresas encerradas devido à pandemia

Publicado

A alteração ao regulamento do programa Apoiar determina novos apoios para as empresas que se mantêm encerradas devido à pandemia de covid-19, designadamente bares e discotecas, anunciou hoje o Governo.

Numa nota enviada às redações, o gabinete do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, destaca que “este reforço da liquidez” se traduz “numa duplicação do apoio extraordinário já atribuído, correspondente ao valor do incentivo apurado referente ao último trimestre de 2020”.

A medida visa “melhorar as condições de tesouraria das empresas para fazerem face aos compromissos de curto prazo, contribuindo para a sua subsistência durante e após o surto pandémico”, é salientado no comunicado.

O gabinete de Siza Vieira refere que, no caso das empresas com quebras de faturação entre os 25% e os 50%, “o reforço do apoio pode atingir os 13.750 euros para as microempresas e os 33.750 euros para as pequenas, médias e grandes empresas”.

“Caso as quebras tenham sido superiores a 50%, o apoio pode ascender a 20.625 euros ou 50.625 euros, respetivamente”, é acrescentado.

A alteração ao regulamento do programa Apoiar aplica-se retroativamente às candidaturas que já foram aprovados e o ajustamento dos valores a receber será feito de forma automática, depois de confirmadas as condições de acesso, explica o Governo.

Lusa

Continue a ler

Populares