Ligue-se a nós

Atualidade

Câmara de Lisboa atribui 48 casas de renda acessível em concurso com quase 3 mil candidatos

Publicado

A Câmara Municipal de Lisboa atribuiu esta segunda-feira 48 casas no âmbito da quarta edição do Programa Renda Acessível (PRA), que registou 2.978 candidaturas, a maioria das quais de residentes fora do concelho.

“Foram 48 casas, distribuídas por praticamente todas as zonas da cidade, portanto, há uma dispersão pela cidade, embora esta distribuição tenha incidência no centro histórico”, avançou à agência Lusa a vereadora da Habitação e Desenvolvimento Local.

Traçando o perfil das 2.978 pessoas admitidas ao sorteio, Paula Marques destacou que “mais de metade dos candidatos são residentes fora do concelho de Lisboa”, acrescentando que a “média de idades é 38 anos”, havendo uma “prevalência do género feminino”.

A responsável pela pasta da Habitação realçou também que, do total dos candidatos, “84% são trabalhadores por conta de outrem”, cerca de metade tem curso superior e “mais de metade” concorre sozinho.

“As casas atribuídas dividem-se em tipologias T0 (1), T1 (19), T2 (20), T3 (7) e T4(1). Dezoito casas estão mobiladas e 48 têm cozinha equipada”, lê-se numa informação publicada no site da câmara.

O sorteio da quarta edição do Programa Renda Acessível, composta por casas do Programa Renda Segura, decorreu hoje por videoconferência devido à pandemia de covid-19. Nas quatro edições do PRA realizadas, a câmara atribuiu um total de 273 fogos.

Para o futuro próximo, “a grande notícia”, considerou a autarca, é a abertura do “primeiro concurso de Renda Acessível com os fogos do PRESS [programa de reconversão de edifícios da segurança social]”.

“Estimamos que sejam 128 fogos e que em março/abril esta edição esteja já com estes fogos a concurso”, afirmou.

Antes disso, em “fevereiro/março”, será lançado um outro concurso com fogos do Renda Segura, referiu a vereadora da Habitação, notando que ainda não há previsão do número de casas.

Através do Renda Segura, a Câmara Municipal de Lisboa pretende arrendar casas a proprietários privados e subarrendá-las no Programa Renda Acessível, em que os contratos têm de ser de duração igual ou superior a cinco anos.

Salientando que o município não parou o “processo de atribuição de habitação” durante a pandemia, Paula Marques (Cidadãos por Lisboa, eleita pelo PS), adiantou que em 2020, nos diversos programas da autarquia, “foram entregues 1.700 fogos”.

Segundo as regras do PRA, cada pessoa ou agregado gastará no máximo 30% do seu salário líquido na renda.

De acordo com a câmara, o valor de um T0 varia entre 150 e 400 euros, o preço de um T1 situa-se entre 150 e 500 euros e um T2 terá um preço que pode ir dos 150 aos 600 euros, enquanto as tipologias superiores contarão com uma renda mínima de 200 euros e máxima de 800.

Atualidade

Covid-19: Portugal com 28 mortes e 949 casos de infeção nas últimas 24 horas

Publicado

Portugal registou hoje 28 mortes relacionadas com a covid-19 e 949 novos casos de infeção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

O boletim da DGS revela também que estão internados 1.583 doentes (menos 125 do que na quinta-feira), o valor mais baixo desde 25 de outubro, dia em que estavam hospitalizadas 1.574 pessoas.

Nos cuidados intensivos Portugal tem hoje 383 doentes (menos 16 em relação a quinta-feira), o valor mais baixo desde 12 de novembro, dia em que estavam também 383 pessoas nestas unidades.

Os dados indicam ainda que 1.606 pessoas foram dadas como recuperadas, fazendo subir para 728.659 o número total de recuperados desde o início da pandemia em Portugal, em março de 2020.

Há 33 dias consecutivos que o número de recuperados supera o de novas infeções.

Os casos ativos em Portugal continuam a registar uma diminuição, com 63.260 hoje, menos 685.

Desde março de 2020, Portugal já registou 16.486 mortes associadas à covid-19 e 808.405 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2.

As autoridades de saúde têm em vigilância 28.881 contactos, menos 2.160 relativamente ao dia anterior, mantendo-se a tendência decrescente desde o dia 30 de janeiro.

De acordo com os últimos dados da Direção-Geral da Saúde, Portugal tem atualmente 972.183 pessoas vacinadas: 692.960 com a primeira dose e 279.223 com a segunda dose.

Das 28 mortes registadas nas últimas 24 horas, 17 ocorreram em Lisboa e Vale do Tejo, cinco na região Norte, três na região Centro e três no Alentejo.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificadas mais 436 novas infeções, contabilizando-se até agora 306.265 casos e 6.917 mortes.

Segundo o boletim, a região de Lisboa e Vale do Tejo tem hoje 45,9% dos casos registados nas últimas 24 horas e 60,7% das mortes, destacando-se das restantes regiões do país.

A região Norte tem hoje 192 novas infeções por SARS-CoV-2 e desde o início da pandemia já contabilizou 327.160 casos de infeção e 5.244 mortes.

Na região Centro, registaram-se mais 118 casos, acumulando-se 115.404 infeções e 2.935 mortos.

No Alentejo foram assinalados mais 36 casos, totalizando 28.573 infeções e 957 mortos desde o início da pandemia em Portugal.

A região do Algarve tem hoje notificados nove novos casos, somando 20.189 infeções e 344 mortos.

A Madeira registou 163 novos casos. Esta região autónoma contabiliza 7.023 infeções e 61 mortes devido à covid-19.

A região Autónoma dos Açores não registou qualquer caso nas últimas 24 horas contabilizando 3.791 infeções desde o início da pandemia e 28 mortos.

O relatório de hoje reflete uma descida do número total de casos da região dos Açores explicada pela “necessidade de correção de dois casos duplicados, da transferência de seis casos para outras regiões de ocorrência, e da notificação de três novos casos na região dos Açores no dia em análise”.

Os casos confirmados a nível nacional distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

O novo coronavírus já infetou em Portugal pelo menos 365.748 homens e 442.390 mulheres, referem os dados da DGS, segundo os quais há 267 casos de sexo desconhecido, que se encontram sob investigação, uma vez que estes dados não são fornecidos de forma automática.

Continue a ler

Populares