Ligue-se a nós

Atualidade

Bruno de Carvalho questionou quem estava com ele “acontecesse o que acontecesse”

Publicado

O antigo coordenador de segurança da Academia de Alcochete disse hoje que o ex-presidente do Sporting Bruno de Carvalho reuniu com o ‘staff’ um dia antes do ataque, perguntando “se estavam com ele, acontecesse o que acontecesse”.

A revelação foi feita por Ricardo Gonçalves, à data dos factos coordenador de segurança e operações da Academia de Alcochete, na sétima sessão do julgamento da invasão à academia, em 15 de maio de 2018, que decorre no Tribunal de Monsanto, em Lisboa.

A testemunha relatou que o antigo presidente do clube, um dos 44 arguidos no processo e que hoje marca presença no tribunal, reuniu em 14 de maio de 2018, na academia de Alcochete, com elementos do ‘staff’ de apoio à equipa principal do Sporting, após o jogo na Madeira, com o Marítimo, que a equipa ‘leonina’ perdeu por 2-1, falhando a possibilidade de se qualificar para a Liga dos Campeões.

“[Nessa reunião] questionou os presentes se estariam com ele, acontecesse o que acontecesse. A equipa estava a atravessar um mau momento, pois perdemos com o Marítimo, o que nos impediu de seguir na Liga dos Campeões. Disse [Bruno de Carvalho] que tínhamos muito trabalho pela frente, um título ainda para vencer [Taça de Portugal] e, naquela reunião, quis saber quem estava com ele, acontecesse o que acontecesse. Quem não estivesse, que saísse”, explicou Ricardo Gonçalves.

Já no final da sessão da manhã, Miguel Fonseca, advogado de Bruno de Carvalho, pediu ao coletivo de juízes a nulidade desta parte do depoimento de Ricardo Gonçalves, sustentado tratar-se de “conversas privadas”, que não têm interesse para o processo. O coletivo de juízes terá agora de decidir sobre este requerimento.

À saída do Tribunal de Monsanto, Bruno de Carvalho não prestou declarações aos jornalistas.

Ricardo Gonçalves relatou ainda uma outra reunião, ocorrida em 07 de abril de 2018, só com o plantel, dois dias após uma derrota com o Atlético de Madrid, e o ‘post’ publicado na rede social Facebook pelo antigo presidente do clube, a criticar os jogadores.

A testemunha explicou que os elementos do ‘staff’ não participaram nessa reunião, ficando do lado de fora do auditório, mas que foi possível ouvir “discussão, pois os ânimos exaltaram-se e as vozes aumentaram”.

Ricardo Gonçalves disse ter ouvido Bruno de Carvalho a chamar o guarda-redes Rui Patrício de “ingrato, armado em diva, vedeta e mimado”. A testemunha afirmou que ouviu igualmente o jogador William Carvalho a acusar Bruno de Carvalho de ter telefonado a Nuno Mendes ‘Mustafá’, líder da claque Juventude Leonina, para “ameaçar e agredir os jogadores”, ao que o antigo presidente do Sporting respondeu que “não fez nada disso” e que ia telefonar a ‘Mustafá’.

“Estava a ficar constrangido ao ouvir tudo aquilo e afastei-me”, referiu o antigo coordenador de segurança e operações da academia de Alcochete, que continua a ser inquirido da parte da tarde.

Após estas declarações, Bruno de Carvalho levantou-se da cadeira e bateu na porta de vidro que separa a sala dos arguidos da dos juízes e dos advogados, no sentido de chamar o seu advogado Miguel Fonseca, que viria a falar com o arguido alguns minutos depois.

Atualidade

“Esperei até ficar com fome”. E foi assim que uma banana de 108 mil euros foi comida

Publicado

Antes de comer a banana que o artista italiano Maurizio Cattelan fixou na parede com fita adesiva, uma obra vendida por 108.000 euros, em Miami, David Datuna esperou algumas horas até “ficar com fome”, explicou entre risadas o artista, esta segunda-feira, já de volta a Nova Iorque.

A banana incluída na obra de arte “Comedian”, do artista italiano Maurizio Cattelan, em exposição na feira Art Basel, em Miami, Estados Unidos, foi comida ontem à tarde. O “provador” de serviço foi David Datuna.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

“Hungry Artist” Art performance by me 🙂 I love Maurizio Cattelan artwork and I really love this installation It’s very delicious 🙂

Uma publicação partilhada por David Datuna (@david_datuna) a

Nascido em Tbilisi e residente nos Estados Unidos há 22 anos, Datuna reivindicou o irreverente gesto que causou sensação depois de ter publicado na sua conta de Instagram um vídeo no qual aparecia a comer a famosa banana. A banana foi substituída rapidamente por outra na parede da galeria.

Embora esta “performance artística” possa implicar problemas legais, Datuna gabou-se nesta segunda, em conferência de imprensa, em Nova Iorque, de ser “o primeiro artista a comer a arte de outro artista”. E disse que desde então recebeu “40.000 a 50.000 mensagens no Instagram”, quase todas encorajadoras.

Datuna diz que respeita o trabalho de Cattelan, conhecido pela sua sanita de ouro de 18 quilates chamada “America”, que foi roubada em setembro de um castelo inglês.

“Ele é um génio”, que “goza com tudo”, afirmou Datuna. Mas “também me agrada o que eu fiz”. “Penso que os artistas existem para fazer as pessoas felizes e lhes dar prazer, e foi isso que eu fiz”, acrescentou.

Continue a ler

Populares