Ligue-se a nós

Atualidade

Benfica vai a eleições ainda este ano

Publicado

Águia Vitoria Estádio da Luz

O Benfica vai realizar ainda este ano eleições para os órgãos sociais, anunciou  o clube em comunicado, após reunião da direção ‘encarnada’.

O Benfica anunciou  que prevê realizar eleições e que estas deverão “ocorrer até ao final do corrente ano”, após a reunião ordinária quadrimestral dos órgãos sociais que se realizou no Estádio da Luz, em Lisboa.

Numa reunião que teve início pelas 17:00, o movimento no exterior do recinto manteve-se o habitual, com várias crianças dos campos de férias do Benfica, sendo que não se notaram momentos de contestação devido à situação atual que o clube vive.

Segundo o comunicado emitido pelo Benfica, foram abordados nesta reunião temas que se prendem com a preparação da época desportiva nas diversas modalidades e no futebol, no qual se enquadra a qualificação para a Liga dos Campeões, garantir a normalidade na gestão, assegurar um adequado fecho do mercado de contratações e vendas, a conclusão “com sucesso” do empréstimo obrigacionista que se encontra em curso e assegurar a unidade do universo benfiquista.

“Foi sublinhado que a Direção do Sport Lisboa e Benfica está seriamente empenhada em garantir que esses objetivos sejam alcançados, pelo que terá uma atuação intransigente em relação às matérias abordadas”, pode ler-se no comunicado, assinado por António Pires de Andrade, presidente da Mesa da Assembleia Geral.

O documento sublinha que ainda em 2021 serão convocadas novas eleições para os órgãos sociais do Benfica.

“O Presidente da Direção, Sr. Rui Costa, sublinhando a unanimidade de todos os vice-presidentes, informou o plenário que, finda essa missão, irá promover todas as diligências tendentes à realização de uma consulta aos sócios. O ato eleitoral deverá ocorrer até ao final do corrente ano”, conclui o comunicado, que faz ainda o apelo “à união e ao sentido de responsabilidade de todos os benfiquistas na construção de um Benfica cada vez maior”.

Luís Filipe Vieira, que suspendeu funções na presidência do Benfica, foi um dos quatro detidos numa investigação que envolve negócios e financiamentos superiores a 100 milhões de euros, com prejuízos para o Estado, SAD do clube e Novo Banco.

Vieira, que está em prisão domiciliária até à prestação de uma caução de três milhões de euros, e proibido de sair do país, está indiciado por abuso de confiança, burla qualificada, falsificação de documentos, branqueamento de capitais, fraude fiscal e abuso de informação.

O antigo futebolista Rui Costa, vice-presidente na direção de Vieira, assumiu a liderança do clube e da SAD.

Atualidade

Programa Apoiar reforça apoios para empresas encerradas devido à pandemia

Publicado

A alteração ao regulamento do programa Apoiar determina novos apoios para as empresas que se mantêm encerradas devido à pandemia de covid-19, designadamente bares e discotecas, anunciou hoje o Governo.

Numa nota enviada às redações, o gabinete do ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, destaca que “este reforço da liquidez” se traduz “numa duplicação do apoio extraordinário já atribuído, correspondente ao valor do incentivo apurado referente ao último trimestre de 2020”.

A medida visa “melhorar as condições de tesouraria das empresas para fazerem face aos compromissos de curto prazo, contribuindo para a sua subsistência durante e após o surto pandémico”, é salientado no comunicado.

O gabinete de Siza Vieira refere que, no caso das empresas com quebras de faturação entre os 25% e os 50%, “o reforço do apoio pode atingir os 13.750 euros para as microempresas e os 33.750 euros para as pequenas, médias e grandes empresas”.

“Caso as quebras tenham sido superiores a 50%, o apoio pode ascender a 20.625 euros ou 50.625 euros, respetivamente”, é acrescentado.

A alteração ao regulamento do programa Apoiar aplica-se retroativamente às candidaturas que já foram aprovados e o ajustamento dos valores a receber será feito de forma automática, depois de confirmadas as condições de acesso, explica o Governo.

Lusa

Continue a ler

Populares