Ligue-se a nós

Atualidade

As pessoas só se tornam ‘completamente adultas’ aos 30 anos, diz neurocientista

Publicado

Jovens Pessoas Grupo

Quando começa a vida adulta? Na maior parte dos países, ao completar 18 anos, já se pode votar, comprar bebidas alcoólicas, obter financiamento imobiliário e ser julgado criminalmente.

Segundo a BBC, que cita um grupo de neurocientistas, as pessoas só se tornam “completamente adultas” aos 30 anos.

De acordo com os investigadores, aos 18 anos, o cérebro ainda está a passar por mudanças que podem afetar o comportamento dos jovens, deixando-os, inclusive, mais propensos a desenvolver transtornos mentais.

Peter Jones, professor da Universidade de Cambridge, no Reino Unido, destaca que essa transição não acontece de um dia para o outro.

“O que estamos a dizer realmente é que ter uma definição clara de quando se você passa da infância para a idade adulta parece algo cada vez mais absurdo.”

Os cientistas dizem que o cérebro se desenvolve em diferentes momentos para cada pessoa. “É uma transição muito mais subtil que ocorre ao longo de três décadas”, explica o pesquisador, que participa de um encontro de neurociências promovido pela Academia de Ciências Médicas de Oxford, no Reino Unido.

Segundo ele, a adoção de uma “linha divisória” é apenas uma questão de “conveniência”.

Atualidade

Porto e Gaia querem tabuleiro inferior da Ponte Luís I sem trânsito automóvel

Publicado

Foto: Wikipédia

As câmaras do Porto e de Gaia abandonaram a ideia de colocar passadiços no exterior do tabuleiro inferior da Ponte Luís I, que liga os dois municípios, e defenderam a exclusão do trânsito automóvel.

Numa sessão dedicada às pontes entre Porto e Gaia, no âmbito do Ciclo “Inovação Fora de Portas – Engenharia Civil à Mostra”, no Porto Innovation Hub, o vereador do Urbanismo da Câmara do Porto, Pedro Baganha, revelou que o projeto está “parado e abandonado”, acrescentando que “não chegou a ir a Conselho de Cultura”, dado que chumbaria se tal sucedesse.

Quando foi anunciado, em 2015, o projeto previa a construção de dois passeios de dois metros do lado de fora do tabuleiro inferior da Ponte Luís I.

A construção dos passadiços suspensos custaria cerca de 600 mil euros e necessitaria da autorização da Direção Regional da Cultura do Norte. Contudo, as autoridades competentes do património levantaram dúvidas quanto a esta pretensão.

Continue a ler

Populares