Ligue-se a nós

Atualidade

Anulada condenação de ex-presidente de junta em Gaia acusado de difamar sucessor

Publicado

Justiça

A Relação do Porto ilibou o ex-presidente social-democrata da Junta de Pedroso-Serzedo (Vila Nova de Gaia), António Tavares, da acusação de difamar o seu sucessor socialista, Filipe Lopes, revogando deste modo uma sentença do tribunal local.

O ex-presidente tinha sido condenado, por difamação agravada, a uma multa de 960 euros e ao pagamento de 750 euros ao visado, em decisão de 03 de julho 2019, proferida pelo Tribunal de Vila Nova de Gaia.

Mas, para o Tribunal da Relação do Porto, as expressões proferidas, embora “agressivas e contundentes” estão “cobertas pela liberdade de expressão constitucionalmente garantida”, ademais que surgiram no âmbito de uma campanha eleitoral “em que arguido e denunciante faziam parte de listas concorrentes”.

Um presidente de uma junta de freguesia, exercendo um cargo público, “tem uma maior exposição e tem de se sujeitar à crítica, a qual é comunitariamente aceite”, acrescentou o tribunal de recurso em acórdão consultado hoje pela agência Lusa.

Neste processo está em causa um vídeo difundido 29 de setembro de 2017 na rede social Facebook pelo ex-presidente da junta em que rotula o oponente de “psicopata político” e “tiraninho” que “chantageia as pessoas” e que “é um mentiroso compulsivo”.

O tribunal de recurso valorizou a tese da defesa segundo a qual se estava em presença de um caso “de contornos nitidamente políticos, não só por os factos se reportarem a um momento político – plena campanha eleitoral para as eleições autárquicas – em que são intervenientes ativos o ofendido (…), mas também porque o caso ocorreu em discurso de apelo ao voto antes das eleições”.

Na campanha eleitoral, sublinhou o ex-presidente no seu recurso, “foi notória a luta política, bem como os exacerbados ânimos dos contendores, nervosismo e exaltações com eventuais excessos de linguagem. Mas, tudo não passou de dura e, talvez, rude, luta política, sem que houvesse da parte do arguido a intenção de infligir ataques meramente pessoais”.

Ilibado neste processo, o ex-presidente da junta está, entretanto, acusado pelo Ministério Público de peculato, já que terá usado para fins pessoais dinheiro da conta da autarquia durante o mandato de 2009-2013.

Segundo despacho datado de 01 de maio de 2020, e divulgado pela Procuradoria do Porto em 09 de junho, António Tavares e um ex-vogal do seu executivo são acusados de apropriação de dinheiro, abastecimento de combustível e reparação de automóveis pessoais por conta da autarquia.

Segundo a acusação, o ex-presidente da junta apropriou-se de mais de 20 mil euros.

Para isso, terá usado faturas emitidas por uma sociedade que prestou serviços à junta de freguesia e emitido 12 cheques da conta bancária titulada pela autarquia que, depois, terá depositado nas suas contas pessoais e nas da sociedade de que era sócio-gerente.

Além disso, e segundo o Ministério Público, realizou diversas reparações mecânicas num dos seus carros e mandou creditar na conta-corrente que a freguesia dispunha nessa empresa, valores que ultrapassaram os 1.000 euros.

Atualidade

Doze pessoas infetadas em surto no hospital de S. José em Lisboa

Publicado

Hospital Saúde Médico

Doze pessoas entre doentes e funcionários do hospital de S. José testaram positivo à covid-19, após ter sido identificado na quarta-feira um caso de infeção no serviço de cirurgia, anunciou hoje o hospital.

Segundo João Varandas Fernandes da direção clínica do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, testaram positivo sete doentes, que foram transferidos para o serviço de infeciologia do hospital Curry Cabral, quatro enfermeiros e um assistente operacional.

A presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar, Rosa Valente de Matos, sublinhou que foram ativados todos os procedimentos e que não há motivo para alarme.

Continue a ler

Populares