Ligue-se a nós

Atualidade

Anestesistas do Hospital Amadora-Sintra em greve até sexta-feira

Publicado

Os médicos anestesistas do Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) iniciaram hoje uma greve de cinco dias para reivindicar a permanência de quatro especialistas na equipa de urgência.

A paralisação convocada pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e pelo Sindicato dos Médicos da Zona Sul visa ainda garantir a segurança clínica nas áreas de bloco operatório, bloco de partos, unidade de cuidados pós-anestésicos, reanimação intra-hospitalar e atividades fora do bloco operatório (como salas de TAC ou laboratório de hemodinâmica).

“Os médicos anestesistas do Hospital Amadora-Sintra há vários anos que têm chamado a atenção para a séria e grave limitação de anestesistas por excesso de trabalho sem qualquer tipo de resposta por parte do Ministério da Saúde ou mesmo do Conselho de Administração” do hospital, disse à agência Lusa o secretário-geral do SIM, Roque da Cunha.

O sindicalista defende  “um plano para que, quando ocorrem situações de excesso de procura, num hospital com cerca de 120 mil utentes sem médico, onde os anestesistas têm um bloco operatório, bloco de partos, têm imensos exames (TAC, colonoscopias e endoscopias), não se conte” com “a exaustão dos responsáveis” do serviço da anestesia.

Durante a greve, que termina às 20:00 de sexta-feira, vão ser assegurados os serviços mínimos com escalas dos serviços de urgência.

 

Atualidade

Taxas moderadoras em centros de saúde acabam em 2020

Publicado

O parlamento aprovou esta sexta-feira um projeto de lei do Bloco de Esquerda que acaba com as taxas moderadoras nos centros de saúde e em consultas ou exames prescritos por profissionais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

O projeto-lei foi aprovado com votos contra do CDS-PP e votos favoráveis das restantes bancadas, tendo o grupo parlamentar anunciado que iria apresentar uma declaração de voto.

O objetivo do diploma é que “deixem de existir taxas moderadoras nos cuidados de saúde primários e em todas as consultas e prestações de saúde que sejam prescritas por profissional de saúde e cuja origem de referenciação seja o SNS”.

No texto que foi hoje discutido e votado, o Bloco propõe a “dispensa de cobrança de taxas moderadoras” no atendimento, consultas e outras prestações de saúde no âmbito dos cuidados de saúde primários, bem como em “consultas, atos complementares prescritos e outras prestações de saúde, se a origem de referenciação para estas for o Serviço Nacional de Saúde”.

Continue a ler

Populares