Ligue-se a nós

Atualidade

Aeroporto de Lisboa vai ter nova área de chegadas

Publicado

A secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Isabel Oneto, disse à Lusa que está previsto “para finais de setembro, princípios de outubro a colocação de mais três e-gates (pórticos eletrónicos para leitura dos dados biométricos do passaporte) e dois postos manuais na nova área de chegada”.

“No aeroporto de Lisboa vai haver uma nova área de controlo de chegadas na qual serão colocados mais cinco postos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras” (SEF), disse Isabel Oneto.

No início do mês a ANA – Aeroportos de Portugal explicou que estava prevista uma “zona específica para a chegada de voos de origens seguras, cujos controlos são mais céleres.

No total, o SEF vai adquirir 49 novos pórticos eletrónicos de nova geração “com um sistema operativo mais rápido e mais funcionais para poder processar mais rapidamente a leitura dos passaportes com dados biométricos”, acrescentou a secretária de estado.

Depois do reforço do aeroporto internacional de Lisboa será a vez de serem colocados mais 16 postos no aeroporto de Faro e 10 no Funchal, seguindo-se o Porto.

Com Lusa

Publicidade

COMENTÁRIOS

Atualidade

Farmácias vão parar 23 minutos esta quarta-feira

Publicado

As farmácias vão parar 23 minutos esta quarta-feira, das 15 horas às 15h23, para sensibilizar o Estado para o pagamento de serviços prestados gratuitamente, principalmente durante a pandemia da covid-19.

Nesse período a plataforma informática de dispensa das receitas eletrónicas ficará inativa, mas Manuela Pacheco, presidente da Associação de Farmácias de Portugal, garante que a paragem não vai comprometer a prestação de serviços aos utentes. Segundo a responsável, o objetivo é «sensibilizar» para a situação «de risco» das farmácias e reivindicar medidas que possam «garantir a sua sobrevivência».

Em declarações à Rádio Observador, Manuel Pacheco adiantou que as farmácias tiveram 12 mil processos de utentes que não podiam dirigir-se aos hospitais e que precisavam de medicação e, por isso, assumiram uma dívida de 76 milhões de euros para garantir acesso a medicamentos.

Continue a ler

Populares