Ligue-se a nós

Atualidade

22 de setembro é dia de limpar Portugal de Norte a Sul

A 22 de setembro, às 10 horas, espera-se que pessoas de diferentes cidades saiam à rua para limpar as suas zonas de residência.

Publicado

Foto: maosaobraportugal.com

A proposta é do projeto Mãos à Obra, criado por Inês Durão, e quer levar grupos de diferentes partes do país a juntarem-se para limpar a sua zona de residência no mesmo dia, à mesma hora.

Com início marcado para as 10 horas, a ação de limpeza deverá seguir um roteiro “criado pelo representante de cada zona”, que deverá também decidir a hora de término da ação, lê-se no Instagram.

O lixo recolhido deverá depois ser separado.

O dia escolhido deve-se ao facto de, até 15 de setembro, as Câmaras Municipais “serem responsáveis pela limpeza das praias e ruas”, uma vez que é o limite da época balnear; decidiram, portanto, esperar para quando não houvesse ninguém a fazê-lo.

Para participar na limpeza deverá aceder ao site do Movimento e pesquisar pelo grupo de trabalho da sua cidade.

Atualidade

Cientistas explicam por que trabalhar à noite faz mal aos intestinos

Publicado

As pessoas que trabalham à noite têm mais probabilidades de desenvolver inflamações intestinais, porque há células que contribuem para a saúde intestinal que deixam de receber informações vitais do cérebro.

Os resultados da investigação foram hoje publicados na revista científica Nature. Feito pela equipa de Henrique Veiga-Fernandes, no Centro Champalimaud, em Lisboa, o estudo explica o que leva as pessoas que têm horários desregrados, como trabalhadores noturnos, a ter mais tendência para inflamações intestinais ou obesidade.

A relação entre esses problemas e os horários noturnos era conhecida e já se tem procurado relacionar os processos fisiológicos com a atividade do relógio circadiano do cérebro. Mas foi a equipa do investigador principal Veiga-Fernandes que descobriu que a função de um certo grupo de células imunitárias, conhecidas por contribuírem de forma muito significativa para a saúde intestinal, se encontra sob o controlo direto do relógio circadiano do cérebro.

Veiga-Fernandes, citado num comunicado da Fundação Champalimaud, explica que quase todas as células do corpo possuem uma maquinaria genética interna que acompanha o ritmo circadiano através da expressão dos chamados “genes relógio”, que indicam a hora do dia às células.

Esses pequenos relógios são sincronizados pelo grande relógio do cérebro (por exemplo informação sobre o dia e a noite).

A equipa descobriu que as chamadas “células linfóides inatas de tipo 3” (ILC3), que no intestino lutam por exemplo contra as infeções, são particularmente sensíveis às perturbações dos seus genes relógio.

“Quando os cientistas analisaram a forma como a perturbação do relógio circadiano cerebral influía sobre a expressão de diversos genes das ILC3, descobriram que desencadeava um problema muito específico: o “código postal” molecular destas células desaparecia!”, explica-se no comunicado.

Continue a ler

Populares