Voltar
Lina, a menina que deu à luz aos 5 anos, é a mãe mais jovem da história


Lina Medina apareceu num hospital peruano, em 1939, grávida de oito meses. Poderia ser mais uma história de uma gravidez não desejada em tempos difíceis, não fosse o facto de esta mãe ter apenas cinco anos e seis meses, conforme foi confirmado pelo médico que a atendeu. Era o início da história mediática da mãe mais jovem do mundo.

José Sandoval, ginecologista, é o biógrafo de Lina Medina, que publica agora a história da sua vida de forma alargada, conforme explica o El Mundo. ‘Madre a los cinco años’ descreve o percurso da peruana desde a sua infância à gravidez inusitada, passando por todas as dificuldades que daí advieram.

Natural de Antacancha, no interior do Peru, ninguém sabia dizer o que se passaria com aquela criança, que passou inclusive por xamãs para tentar determinar a causa do crescimento do seu ventre. Sem respostas possíveis, o pai de Lina e um dos seus irmãos (eram nove) decidiram levá-la ao hospital, onde foi confirmada a gravidez para estupefação dos médicos.

Corria o mês de abril de 1939 e a notícia depressa correu o país. O pai e os cinco irmãos varões de Lina foram detidos e interrogados, mas sem se chegar a um culpado. A menina recusava-se a dizer quem era o pai do bebé que carregava e não havia como provar a paternidade.

Notícias ao MinutoÀ esquerda, Lina com 9 meses de gravidez. À direita, Lina com o seu filho, Gerardo.© Reprodução

A 11 de maio de 1939, Lina foi submetida a uma cesariana e nasceu um menino com 2,7 quilos e 48 centímetros. Ficou entregue aos cuidados das enfermeiras do hospital, uma vez que Lina era demasiado nova para a responsabilidade e preferia brincar.

O cirurgião que fez o parto da menina retirou uma amostra dos ovários para perceber como foi possível aquela gravidez e confirmou que Lina sofria de puberdade precoce, ou seja, o seu útero era o de uma mulher adulta.

Gerardo, o filho, nome dado em homenagem ao médico que a operou, tinha apenas cinco anos de diferença da mãe. A história dos dois não viria a terminar feliz. Sempre viveram em dificuldades, apesar do interesse público na sua história (os apoios e doações cessaram, a dada altura), e Gerardo acabaria por se tornar alcoólico. Morreu aos 40 anos, em 1979.

Lina, que tinha voltado a casar e a ter outro filho, aos 38 anos, acabou por ficar viúva em 2009. Hoje tem 84 anos e mora em Pisco, a sua cidade natal, com familiares. Durante a sua vida, teve algumas ofertas de pequenas fortunas para contar quem era o pai de Gerardo, quem a engravidou com apenas cinco anos, mas nunca contou.

Record FM com NotíciasAoMinuto